MEIO AMBIENTE

Valinhos

DAEV inicia retirada de aguapés da lagoa do CLT

Retirada de plantas aquáticas é feita anualmente em Valinhos

O Departamento de Águas e Esgotos de Valinhos (DAEV) deu início na segunda-feira, dia 8, à retirada de aguapés (macrófitas) na lagoa do Centro de Lazer do Trabalhador (CLT) Ayrton Senna da Silva, por meio de empresa contratada, utilizando a técnica de arrasto com o auxílio de embarcação. A previsão é que o serviço seja finalizado até o final de abril.

As macrófitas são plantas aquáticas que costumam surgir em locais com aporte de sedimentos e nutrientes, comumente encontrados nos corpos hídricos com ambientes lênticos (tais como lagos e lagoas).

De acordo com o Departamento de Operação, o DAEV acompanha o desenvolvimento das plantas e executa o manejo preventivo assim que elas começam a tomar proporções significativas. Desde 2021, quando os lagos apresentaram uma grande concentração das macrófitas, a limpeza vem sendo realizada anualmente entre os meses de abril e maio, período em que elas costumam apresentar crescimento exponencial.

Vale ressaltar que a presença das plantas aquáticas na lagoa do CLT não prejudicou a qualidade da água captada para tratamento. Análises para monitoramento, feitas rotineiramente, indicaram que não houve resultado atípico.

COMPARTILHE NAS REDES

Brasil e Mundo

Cobertura florestal mundial perde 3,7 milhões de hectares em 2023

© REUTERS/Bruno Kelly

Brasil e Colômbia tiveram desempenho positivo

Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Em 2023, os trópicos perderam 3,7 milhões de hectares de floresta primária, o que corresponde, em média, à destruição de dez campos de futebol por minuto ou a uma área do tamanho do Butão.

Tanto para autoridades locais como para a comunidade internacional, que tem metas estabelecidas em acordos, o Brasil representa um desafio, já que ainda lidera a lista dos países com os piores cenários, embora tenha tido uma queda de 36% no índice, puxada, sobretudo, pela melhora na Amazônia.

Os dados constam de relatório produzido anualmente pelo Laboratório de Análise e Descoberta de Terras Globais (Glad), da Universidade de Maryland, que toma como referência o monitoramento da plataforma Global Forest Watch (GFW), do World Resources Institute (WRI). A GFW está no ar desde 2014 e exibe dados praticamente em tempo real sobre proteção das florestas.

De acordo com o levantamento, enquanto Brasil e Colômbia apresentaram desempenhos positivos na conservação das florestas, houve retrocessos nas políticas da Bolívia, Laos, Nicarágua e outros cantos do globo.

No caso do Brasil, o que os especialistas pontuam é que as diretrizes ambientais do governo Lula, de modo geral, são o que é capaz de transformar os indicadores. Como exemplos, listam a promessa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez de demarcar terras indígenas e a importância da aplicação da lei e da revogação de medidas que iam na contramão da preservação ambiental.

O que se recomenda ao Brasil é que se olhe para os diferentes biomas com o mesmo cuidado. A análise evidencia que, ao mesmo tempo que na Amazônia houve queda de 39% no desmatamento de floresta primária do que em 2022, o Cerrado teve um aumento de 6%, mantendo a tendência de aumento de cinco anos, e o Pantanal sofreu as consequências de perda florestal por queimadas que têm se alastrado por grandes perímetros.

Na Bolívia, a perda de floresta primária subiu 27% em 2023. O país vizinho registrou alta pelo terceiro ano consecutivo e ficou em destaque por ter a terceira maior perda de floresta primária dos países tropicais. O dado chama a atenção porque sua área de florestas já é menor do que a metade das existentes na República Democrática do Congo e na Indonésia.

Metas

De 2022 para 2023, a perda de floresta primária no Brasil caiu de 43% para 30%. Apesar disso, atualmente, o país tem um quadro mais grave do que o da República Democrática do Congo e o da Bolívia.

Em linhas gerais, o relatório demonstra que, ao se confrontar dados de 2023, 2019 e 2021, observa-se pouca variação no grau de perda florestal, o que significa que também não tem havido grandes saltos em direção à Declaração dos Líderes de Glasgow, que estabelece como meta o comprometimento dos países com a causa.

O tempo para alcançá-la, alertam os pesquisadores, vai se extinguindo, uma vez que o prazo fixado é o ano de 2030 e, a cada ano, nas últimas duas décadas, o mundo perdeu de 3 a 4 milhões de hectares de floresta tropical.

O Canadá também é mencionado pela equipe de pesquisadores, lembrado pelos inúmeros focos de incêndio que teve de debelar recentemente. O país, que está fora dos trópicos, mas dá também mostras do que acontece neles, conforme ressaltam os acadêmicos, viu a perda de cobertura florestal ocasionada por incêndios quintuplicar entre 2022 e 2023.

A Indonésia registrou um aumento de 27% na perda de floresta primária, no ano passado, quando houve a passagem do fenômeno El Niño na região, algo que gerou especulação sobre a possibilidade de o país assistir a uma reprise da temporada de incêndios de 2015. O relatório frisa que tal taxa segue historicamente baixa, em comparação com a daquela época.

COMPARTILHE NAS REDES

Brasil e Mundo

Ibama cria plataforma para acompanhar recuperação ambiental

 

Ação integra Política Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa

Por Fabiola Sinimbú – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) criou a Plataforma de Acompanhamento da Recuperação Ambiental (Recooperar), que reunirá dados de áreas degradadas ou alteradas para desenvolvimento de projetos ambientais. A norma que institui a ferramenta foi publicada nesta terça-feira (2) no Diário Oficial da União e começará a vigorar no próximo dia 15.

Além das ações de recuperação ambiental promovidas pelo Ibama, a Recooperar reunirá processos administrativos, inclusive municipais e estaduais, sobre áreas degradadas e dados geográficos como bioma e informações hidrográficas, além de definições como a destinação dada, se pertence a uma unidade de conservação, territórios quilombolas, terras indígenas, ou se possui Cadastro Ambiental Rural (CAR).

De acordo com a instituição, foram incorporadas informações sobre áreas embargadas, sobre Planos de Recuperação de Áreas Degradadas (Prads) para reparação de danos ambientais, projetos de plantio compensatório e reposição florestal.

Plataforma de Análise

Atualmente, o acompanhamento de processos do Ibama é feito por meio da Plataforma de Análise e Monitoramento Geoespacial da Informação Ambiental (Pamgia), onde estão disponíveis apenas consultas de processos por estado, município, data de cadastro, origem ou número do processo administrativo. Para a nova plataforma serão migrados os dados de outras plataformas do órgão, como o Cadastro Simplificado de Vetores do Ibama (CASV).

Segundo as normas, o Ibama disponibilizará também instruções aos usuários para acesso à nova plataforma, cadastro de perfil e consulta às funcionalidades.

A iniciativa é uma estratégia de implementação da Política Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa, também alinhada aos acordos internacionais assumidos pelo Brasil, como o Desafio de Bonn e a Iniciativa 20×20, que têm como meta restaurar 12 milhões de hectares de áreas degradadas até 2030.

COMPARTILHE NAS REDES

Valinhos

Guardas Municipais de Valinhos e Vinhedo se reúnem para falar sobre ações de meio ambiente

Encontro aconteceu no COI, em Valinhos

A Guarda Civil Municipal de Valinhos, por meio do Grupo Ambiental (GAM), participou nesta semana de um encontro focado em meio ambiente. A reunião aconteceu no último dia 27 na sede da corporação valinhense, no Centro de Operações e Inteligência (COI), e teve de dois representantes da Guarda Ambiental de Vinhedo.

Na reunião os presentes de cada efetivo puderam alinhar e trocar experiências sobre procedimentos em ocorrências com ênfase em meio ambiente, tais como queimadas, cortes de árvores, identificação de animais silvestres em cativeiro e legislações pertinentes.

“O GAM é um instrumento de articulação entre as secretarias municipais da Prefeitura, responsáveis pela fiscalização dos agentes causadores de poluição e degradação do meio ambiente urbano e rural. O grupo também atua no patrulhamento preventivo nos bairros rurais e, por isso, o compartilhamento de informações com nosso município vizinho, assim como o alinhamento de procedimentos, é fundamental à continuidade e aperfeiçoamento das ações adotadas”, falou o secretário de Segurança Pública e Cidadania, Argeu Alencar da Silva.

Atuando com veículos operacionais e equipamentos de salvamento, as equipes do GAM realizam o patrulhamento preventivo de segurança nos bairros rurais da cidade em combate à criminalidade, proporcionando a criação de vínculos com os moradores dessas regiões para agilizar o atendimento no caso de emergências.

As equipes do GAM também trabalham na captura de animais silvestres em residências e estabelecimentos. A orientação para a população, quando se deparam com estes animais, é se afastar deles e acionar o telefone de emergência 153.

COMPARTILHE NAS REDES

Brasil e Mundo

Desmatamento no Cerrado cai 48% em janeiro, mostra instituto

É o menor nível registrado em 11 meses

Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Em janeiro, a área de desmatamento no Cerrado diminuiu 48%, na comparação com dezembro de 2023, chegando a 51 mil hectares. Entre os fatores que explicam a variação estão a efetividade de políticas públicas de combate à degradação do bioma e o volume de chuvas, que ajuda especialistas a visualizarem áreas abertas. 

De acordo com o Sistema de Alerta de Desmatamento do Cerrado (SAD Cerrado), do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), a proporção de desmatamento alcançada em janeiro deste ano foi a menor dos últimos 11 meses, mas ficou 10% acima da registrada em janeiro de 2023, quando o bioma perdeu 46 mil hectares de vegetação nativa. O SAD Cerrado fornece informações a partir de satélites da Agência Espacial Europeia e serve de ferramenta complementar ao Deter Cerrado, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Como em outros períodos de análise, a região do Matopiba (que inclui o Maranhão, Tocantins, Piauí e a Bahia) respondeu pela maioria da taxa de desmatamento do mês passado (64%). No total, 33 mil hectares do Matopiba foram derrubados.

Tanto o Tocantins quanto o Piauí perderam 10 mil hectares. Contudo, o patamar atingido pelo Tocantins é um ponto fora da curva do padrão consolidado anteriormente, pois a alta no estado foi de 40% em relação a janeiro de 2023, ao contrário do Piauí, que manteve o mesmo nível.

Fora da região do Matopiba, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul destacaram-se pelo crescimento da vegetação devastada. Juntos, os dois estados registraram 8 mil hectares desmatados, um aumento de 23% ante janeiro de 2023.

A equipe à frente do SAD Cerrado indicou ainda outra localidade com cenário crítico: o município de Cotegipe (BA). A cidade, que não aparecia antes entre os maiores desmatadores do bioma, em 2023, liderou a lista de janeiro deste ano, com cerca de 2 mil hectares perdidos, um aumento de 224% em relação a dezembro de 2023. Uma das peculiaridades ressaltadas pelas pesquisadoras do Ipam foi o fato de que 99% dos alertas detectados no município foram registrados em áreas com cadastro ambiental rural privado. Outro aspecto frisado pela equipe, válido para todo o bioma, é a importância de que haja o mesmo empenho, por parte do governo federal em preservar o Cerrado e a Amazônia.

No relatório atualizado, fica demonstrada também a relação entre a situação fundiária e as taxas de desmatamento. Os vazios fundiários – áreas sem posse ou mecanismos de governança definidos – foram a segunda categoria mais desmatada, correspondendo a 11% dos alertas. A categoria que ocupou o primeiro lugar foi a de áreas privadas, com mais de 74% derrubados, cerca de 38 mil hectares.

No período, o desmatamento em unidades de Conservação atingiu 5 mil hectares (9%). Entre as áreas protegidas, as mais afetadas foram as localizadas no Matopiba, como o Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba e a Área de Proteção Ambiental Serra da Ibiapaba, localizada nos estados do Piauí e Ceará, respectivamente.

COMPARTILHE NAS REDES