DOAÇÃO

Economia

Arrecadação federal cresce 8,26% e chega a R$ 228,87 bilhões em abril

© Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Arquivo

Tributação de fundos exclusivos eleva em R$120 milhões valor recolhido

 

Por Andreia Verdelio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

A arrecadação da União com impostos e outras receitas teve leve alta, alcançando R$ 228,87 bilhões em abril, segundo dados divulgados nesta terça-feira (21) pela Receita Federal. O resultado representa aumento real de 8,26%, ou seja, descontada a inflação, em valores corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), em comparação com abril de 2023. 

É o maior valor para meses de abril desde 1995, início da série histórica. Também é o melhor desempenho arrecadatório para o acumulado de janeiro a abril de 2024. No período, a arrecadação alcançou o valor de R$ 886,64 bilhões, representando um acréscimo pelo IPCA de 8,33%.

Os dados sobre a arrecadação estão disponíveis no site da Receita Federal. Quanto às receitas administradas pelo órgão, o valor arrecadado no mês passado ficou em R$ 213,30 bilhões, representando acréscimo real de 9,08%.

Os resultados foram influenciados positivamente pelas variáveis macroeconômicas, resultado do comportamento da atividade produtiva, pela tributação dos fundos exclusivos e pelo retorno da tributação do Programa de Integração Social/Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (PIS/Cofins) sobre combustíveis.

Fundos exclusivos e combustíveis

Contribuindo para melhorar a arrecadação, em abril, houve recolhimento extra de R$ 120 milhões do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) – Rendimentos de Capital, referente à tributação de fundos exclusivos, o que não ocorreu no mesmo mês de 2023. A lei que muda o Imposto de Renda incidente sobre fundos de investimentos fechados e sobre a renda obtida no exterior por meio de offshores foi sancionada em dezembro do ano passado.

Mesmo com a receita extra, em abril, a arrecadação do IRRF-Rendimento de Capital teve queda de 3,62% em relação a abril de 2023, alcançando R$ 8,41 bilhões. O resultado é explicado, principalmente, pelas quedas nominais de 4,45% na arrecadação do item Aplicações de Renda Fixa e de 6,79% na arrecadação do item Fundos de Renda Fixa.

Por outro lado, no acumulado do ano, o IRRF-Rendimento de Capital apresentou arrecadação de R$ 44,43 bilhões, crescimento real de 29,24%. O desempenho, nesse caso, pode ser explicado pela arrecadação de R$ 11,3 bilhões de janeiro a abril, decorrentes da tributação dos fundos exclusivos.

Já a reoneração das alíquotas do PIS/Pasep (Programa de Integração Social/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) sobre combustíveis contribuiu para evitar a perda de arrecadação. Em abril de 2023, a desoneração com esses tributos havia sido de R$ 3 bilhões.

“Sem considerar os pagamentos atípicos, haveria crescimento real de 5,38% na arrecadação do quadrimestre e de 7,38% na arrecadação do mês de abril”, informou a Receita Federal.

Outros destaques

Também foram destaque da arrecadação de abril o PIS/Pasep e a Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), que apresentaram, no conjunto, uma arrecadação de R$ 44,30 bilhões no mês passado, representando crescimento real de 23,38%. O desempenho é explicado, principalmente, pelo acréscimo da arrecadação relativa ao setor de combustíveis, tendo em vista o fim das desonerações e alterações nas bases de cálculo dessas contribuições, da exclusão do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) da base de cálculo dos créditos dessas contribuições, além da redução de 14% no montante das compensações.

No acumulado do ano, o PIS/Pasep e a Cofins arrecadaram R$ 169,31 bilhões, aumento real de 19,77%. O resultado decorre, principalmente, do aumento real de 3,29% no volume de vendas do comércio e de 0,52% no volume de serviços entre dezembro de 2023 e março de 2024 (fator gerador da arrecadação do período), em relação ao período entre dezembro de 2022 e março de 2023. A retomada da tributação sobre os combustíveis também contribuiu para o resultado, já que a base se encontrava desonerada no ano anterior.

A Receita Previdenciária teve aumento real de 6,15%, chegando a R$ 52,79 bilhões, desempenho que é explicado pelo crescimento real de 5,11% da massa salarial. Além disso, houve crescimento de 18% no montante das compensações tributárias com débitos de receita previdenciária em relação a abril de 2023.

No período de janeiro a abril, a Receita Previdenciária arrecadou R$ 211,33 bilhões, com crescimento real de 6,73%. O resultado se deve ao crescimento real de 5,48% da massa salarial, além do aumento de 15% no montante das compensações tributárias com débitos de receita previdenciária no período.

Em abril, o Imposto de Importação e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)-Vinculado à Importação tiveram arrecadação conjunta de R$ 8,07 bilhões, com crescimento real de 27,46%. Tal desempenho decorre dos aumentos reais de 14,02% no valor em dólar (volume) das importações, de 2,18% na taxa média de câmbio, de 15,70% na alíquota média efetiva do Imposto de Importação e de 7,77% na alíquota média efetiva do IPI-Vinculado.

No acumulado do ano, o Imposto de Importação e o IPI-Vinculado chegaram a R$ 29,44 bilhões, aumento real de 11,71%

Indicadores macroeconômicos

A Receita Federal apresentou também os principais indicadores macroeconômicos que ajudam a explicar o desempenho da arrecadação no mês. Entre os indicadores, estão a venda de bens e serviços, que caíram, respectivamente, 1,5% e 2,3% em março (fator gerador da arrecadação de abril), mas registraram alta de 3,29% e 0,52% entre dezembro de 2023 e em março de 2024 (fator gerador da arrecadação do período).

A produção industrial caiu 3,61% no mês passado e subiu 0,5% no período quadrimestre do período. Ainda assim, o valor em dólar das importações, vinculado ao desempenho industrial, teve alta de 14,02% em março de 2024 e de 1,15% entre dezembro de 2023 e março de 2024.

Também houve crescimento de 9,24% da massa salarial em março e de 10,11% no quadrimestre encerrado no mês.

 

COMPARTILHE NAS REDES

Terceiro Setor

ACES recebe instrumentos musicais através de doação da FEAV

A ACES (Associação Cristã Acolher, Cuidar, Ensinar e Servir), recebeu esta semana uma importante doação através da FEAV (Forum das Entidades Assistenciais de Valinhos), do qual faz parte. Foram doados diversos instrumentos musicais, entre violões, ukulêlês e violinos, recebidos pela presidente da ACES, Clara Noronha. “Estou encantada e agradecida com mais esse reforço nos equipamentos que a ACES dispõe para as oficinas que são ofertadas semanalmente para as crianças atendidas”, disse Clara.

Criada em 2017, a ACES é uma instituição do terceiro setor comprometida no alcance de resultados de impacto no desenvolvimento de crianças, jovens e adultos. Tem um objetivo a construção um mundo melhor.

Atende crianças e adolescentes, de 6 a 14 anos, em horários diferenciados do período escolar, oferecendo atividades lúdicas, esportivas, culturais e atividades de reforço escolar.

COMPARTILHE NAS REDES

RMC

Prefeitura de Itatiba recebe doação de equipamentos de tecnologia da empresa Vulkan

Equipamentos doados pela Vulkan integrarão datacenter de Informações Estratégicas municipal (Mari Giro/PMI) 

A Prefeitura de Itatiba recebeu nesta semana a doação de um lote de equipamentos de tecnologia da empresa Vulkan do Brasil. Os equipamentos são servidores que serão integrados ao datacenter do Departamento de Informações Estratégicas municipal. A entrega ocorreu na última terça-feira (09/01), na unidade da Vulkan em Itatiba.

Eles foram entregues ao prefeito de Itatiba, Thomás Capeletto de Oliveira pelo diretor de Transformação Cultural e Digital da Vulkan, Marco Santos. Participaram da entrega da doação ainda a secretária de Governo, Jackeline Boava Monte, o secretário adjunto de Tecnologia da Informação, Douglas Corcelli e a coordenadora de Governo, Mari Carla Giro, além de equipe técnica da Vulkan.

Segundo o prefeito Thomás, “receber equipamentos de Tecnologia é sempre bem-vindo, uma vez que o serviço público se beneficia de tudo o que possa tornar mais ágil os trabalhos, ainda que sejam internos, como é o caso a que se destinam esses servidores – pois tudo reflete num melhor atendimento à ponta final, que é a população”.

COMPARTILHE NAS REDES