Daniel Loiola

Daniel Loiola

Cargo: 

DIagramador, arte finalista

Organização: 

Folha de Valinhos

Meio nerd, meia mussarela, meia calabresa. Jogador de videogame e palpiteiro de séries nas horas vagas

Email: 

daniel.loiola@gmail.com

Conteúdo relacionado - Autor - Texto Principal

Que filme é esse tal de “Parasita”?

Neste último domingo (9 de fevereiro), durante a premiação do Oscar 2020 algo de inesperado e inédito aconteceu. Um filme estrangeiro (não produzido por estudio dos Estados Unidos) ganhou a principal premiação da noite; o Oscar de melhor filme, feito conseguido por filmes sempre muito prestigiados... e americanos!
Mas qual precedente para isso? O que este tal vencedor tem de diferente para conquistar algo nunca antes imaginado? Parasita (Parasite, 2019, comédia/thriller, Direção: Bong Joon-ho) apresenta uma experiência tão simples... e tão profunda ao mesmo tempo que não se identificar com ele é praticamente impossível!
O filme trata de mostrar e exagerar nos contrastes entre classes sociais... a “casta baixa” e “alta”, o rico e o pobre, colocando como pano de fundo a inteligencia e sagacidade do ser humano quando lida com dificuldades para conquistar melhores condições de vida.
É um resumo sobre nossa condição humana de nunca estarmos satisfeitos plenamente com o que temos, o sonho de ter mais, melhor, sempre.
Toda a fotografia e como o filme retrada estes contrastes é um primor, em um determinado momento você sente até uma claustrofobia quando vê os a família pobre se apertando no apartamento em um porão com ângulos de câmera fechados e saturação mais esverdeada se opõe contra os planos panorâmicos e a luz do sol que parece estar mais presente nas casas do alto da rua (famílias mais ricas).
Não estou aqui para dar spoiler do filme e contar a trama, você leitor precisa passar por esta experiência. Confie no trabalho de Bong Joon-ho, diretor que tem em seu currículo diversos filmes explorando temas tão inocentes fantasiosos como em “OKJA” até obras baseadas em livros e séries de tv como “EXPRESSO DO AMANHÔ e filmes mais sérios e intensos como “MOTHER - A BUSCA PELA VERDADE”, sabe o que faz e sabe explorar o cotidiano de nossas realidades que o cinema muitas vezes evita em destacar, problemas de relacionamentos, psicológicos, racismo, diferença de classes sociais... alguns pontos que felizmente estão sendo mais explorados neste ano através desta mídia. É um filme pra se pensar e resignificar certos pontos de nossas vidas.