Valinhos tem a semana com maior número de óbitos por Covid-19

Valinhos tem a semana com maior número de óbitos por Covid-19

Números divulgados esta semana pela Secretaria da Saúde apontam que Valinhos teve a semana com o maior número de óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia. Entre a segunda-feira, dia 6, e a sexta-feira, dia 10, foram confirmados 11 óbitos pela doença. O maior registro anterior aconteceu na semana de 22 a 26 de junho, quando 6 óbitos foram confirmados.

Em boletim divulgado nesta sexta-feira, dia 10, Valinhos registrou mais 12 casos da Covid-19.  Até o momento a cidade contabiliza 41 óbitos por Covid-19 e 931 casos da doença. Os números mostram que a curva de contaminação pelo novo coronavirus que, desde maio aumentou o ritmo, continua acelerada neste mês de julho. Entre o dia 1º e o dia 10 foram contabilizados 239 novos casos da doença. Uma média de 24 casos por dia.

A taxa geral de ocupação dos leitos de UTI voltou a ser preocupação das autoridades. Nesta sexta-feira, de acordo com informações da Santa Casa e do Galilleu repassadas para a Secretaria de Saúde, a taxa geral de ocupação chegou a 77%. Contudo, na Santa Casa, que atende os pacientes do SUS, esse índice atingiu novamente os 100% e não há vagas disponíveis para internação de pacientes com quadros mais graves da doença.

Uma das alternativas caso o problema ser agrave será a transferência de pacientes para São Paulo. De acordo com a Secretaria da Saúde de Valinhos os pacientes serão transferidos – caso necessário - para o Hospital de Campanha do Ibirapuera que, desde a quarta-feira, dia 8, foi referenciado para atender pacientes com Covid-19 da região de Campinas.

A Vigilância Sanitária mantém o alerta de que a doença atingiu fase crítica na cidade e apela para que a população respeite o isolamento, reduza a circulação pelas ruas e faça sua parte para a contenção da doença. Nesta semana, comércio e serviços não essenciais vão continuar fechados na cidade.

Os números da pandemia em Valinhos

Levantamento da Folha de Valinhos mostra que deste total de óbitos, 23 são do sexo masculino, ou 56% do total e, 18 são do sexo feminino, ou 44% dos casos. Deste total, 25 são moradores de Valinhos e 16 de outras cidades da região.

Além disso, a faixa etária mais vulnerável está localizada entre os 81 e 90 anos, que registra o maior número de óbitos, 14, ou 34% do total; seguido pelas faixas etárias 61 a 70 com 8 óbitos e 71 a 80 anos, com 8 óbitos. Entre 91 e 100 anos temos 6 óbitos e 1 óbito acima de 100 anos. Há quatro óbitos na faixa de 50 a 60 anos.

Do total de vítimas, 12 não apresentavam nenhuma doença preexistente (comorbidade ), ou seja 29%. As outras 29 pessoas vitimadas pela Covid-19 apresentavam doenças crônicas como cardiopatias, diabetes, pressão alta, neurológicas e imunodepressão.

O agravamento da pandemia no município tem reflexos claros do relaxamento das medidas de isolamento social exigidos durante a quarentena, especialmente durante o mês de maio. A Folha de Valinhos apurou junto ao Sistema de Monitoramento Inteligente de São Paulo que a maios taxa de isolamento foi registrada no dia 5 de abril, um domingo, quando 61% dos ficaram em casa.

Ao longo do mês de maio a taxa média ficou em 47%, o mesmo resultado médio foi apurando ao longo do mês de junho. Já a primeira semana de julho – entre os dias 1º e 10 – a taxa ficou em 45%, excetuando os final de semana de 4 e 5 de julho, quando foram registrados 48% e 52% respectivamente.

Do total de 919 casos confirmados da doença no município, 852 estão recuperados. Valinhos ainda tem 228 casos suspeitos e dois óbitos em investigação.

Neste momento são 40 pacientes suspeitos internados em UTIs, sendo 32 na Santa Casa e 8 no hospital Galileo e 23 pacientes suspeitos internados em enfermarias, sendo 11 internados na Santa Casa e 12 no Galileo.