Relacionamento social e ansiedade

Relacionamento social e ansiedade

Na atualidade as relações sociais tendem a ser mais reduzidas principalmente pelo aumento de atividades que desfavorecem o contato entre as pessoas como vídeo game, e-mails, rede social, mensagem, internet. Com isso começam a desenvolver amigos virtuais e cada vez se isola do contato real com o outro.
Muitas vezes a pessoa se sente ansioso em relacionamentos sociais, pois fica preocupado em como as pessoas vão avaliar seu desempenho, tem medo de errar, de alguém criticar seu comportamento ou rir dele. Com isso muitas vezes passa a evitar locais públicos, a se isolar e o relacionamento virtual o deixa mais seguro. Isso são características de ansiedade social, conhecida também como fobia social.
A ansiedade social é um transtorno de ansiedade que acomete indivíduos muito jovens e é importante ser identificado e tratado precocemente. Precisamos compreender que para essa pessoa o contato social é extremamente desconfortável e incomodo.
Ser tímido, ansioso ou inseguro em determinadas situações ou diante de estranhos é normal, pois após a inibição inicial a tendência é ir se familiarizando e se relacionando com as pessoas. Porem quando a pessoa continua a sentir o desconforto é que passa a ser um problema, pois quando traz prejuízo em vários níveis de sua vida pessoal e profissional. O medo de enfrentar as situações sociais limita a busca de novos desafios, como por exemplo: não ter amigos, não conseguir se aproximar de quem se tem interesse afetivo, os namoros raramente começam por iniciativa própria, não consegue crescer profissionalmente ou fazer um curso ou faculdade, falar em uma reunião.
Pessoas que apresentam fobia social podem desenvolver depressão devido ao seu isolamento social e normalmente passam a utilizar bebidas alcoólicas e drogas para demonstrar confiança, buscando melhores níveis de relacionamento.
A terapia cognitiva é uma importante aliada no tratamento desta fobia, uma vez que a mesma se propõe a mudar crenças errôneas que essa pessoa tem de si e dos demais, corrigindo os “erros de pensamentos”, ajudando-a a enfrentar as situações que lhe causem ansiedade, bem como “treiná-la” para adquirir um melhor desempenho social, desenvolvendo assim sua assertividade, autoestima e habilidades sociais e proporcionando uma melhor qualidade de vida e bem estar social.

Maria Fernanda s. Palaro
Psicóloga
CRP 06/104875