Ministério da Saúde cancela campanha contra raiva no Estado

Ministério da Saúde cancela campanha contra raiva no Estado

São Paulo é considerado como de raiva controlada e por esse motivo não foi elencado como prioritário
São Paulo é considerado como de raiva controlada e por esse motivo não foi elencado como prioritário

A campanha de vacinação em cães e gatos que acontece gratuitamente todos os anos em Valinhos foi cancelada em 2019 pelo Ministério da Saúde. Segundo comunicado enviado pelo órgão, houve uma reprogramação no cronograma de entrega das vacinas contra a raiva em cães e gatos. O Ministério da Saúde elencou as áreas prioritárias, sob o aspecto epidemiológico, para a distribuição das vacinas.

Segundo o comunicado, o Estado de São Paulo é considerado como de raiva controlada para as variantes virais de cão e por esse motivo não foi elencado como prioritário. Nos municípios do Estado, a vacinação rotineira é feita para os animais que tiveram contato com o morcego e foram infectados. Caso haja disponibilidade no estoque, as vacinas são ofertadas para o restante da população canina e felina.

Dados da Divisão de Vigilância em Zoonoses de Valinhos apontam que em 2019 não houve registro de morcego contaminado com raiva, enquanto no ano passado foi registrado apenas um caso positivo na cidade em morcego. Segundo o Departamento de Saúde Coletiva, a população estimada de animais no Município é de 15 mil cães e 2 mil gatos e há mais de cinco anos não há nenhum caso confirmado de raiva em cães e gatos na cidade.

A diretora da Divisão de Vigilância em Zoonoses, Marli Aparecida da Silva considerou que é preciso redobrar a atenção já que a campanha foi cancelada. “A raiva é preocupante porque o vírus que está presente no morcego está circulando por Valinhos e a falta das vacinas agrava esse quadro, já que cães e gatos não estarão imunizados e o vírus não deixará de circular pela região”, disse.

Mas Marli avaliou que a doença está controlada na região e no Estado. “Pelos dados epidemiológicos que temos e pelo trabalho de prevenção de animais que causam acidentes, o risco continua baixo para a contaminação, mas, caso isso ocorra, é necessário entrar em contato com a Divisão de Vigilância em Zoonoses”, explicou.

A diretora lembrou que a raiva é uma doença viral grave e pode levar à morte de animais e também de seres humanos. A transmissão ocorre através da saliva de animais contaminados pelo vírus, por mordeduras, lambeduras e arranhões. De acordo com Maril, a raiva canina e felina no Estado de São Paulo está controlada, mas, para prevenir, toda pessoa mordida pelos animais é observada por 10 dias, para verificar se há sintomas.

Zoonoses

As doenças conhecidas como zoonoses são transmitidas pelos animais domésticos, que podem ser portadores de cerca de 30 inimigos quase imperceptíveis. “Os animais portadores de microrganismos podem atingem o homem por várias vias. As mais comuns são as mordidas e lambidas”, destaca Marli.

Para evitar incômodos, o princípio básico é uma boa higiene do animal. A maioria das zoonoses tem caráter benigno, é autolimitada e evolui para cura espontânea. “Apenas em alguns casos o médico se faz necessário. Os cuidados gerais são levar os animais regularmente ao veterinário, lavar as mãos após lidar com os animais, evitar que as crianças brinquem em áreas frequentadas por gatos e cães e usar luvas ao mexer no solo”, orientou Marli.

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Valinhos fica na Rua Luiz Bissoto, nº 555, no Bom Retiro. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h30 e o telefone para contato é o (19) 3829-1252.