Cotas para LGBTQIA+ foram rejeitadas em sessão da Câmara

Cotas para LGBTQIA+ foram rejeitadas em sessão da Câmara

Os vereadores rejeitaram por maioria de votos na sessão de terça-feira (21) projeto de lei que pretendia instituir um sistema de reserva de vagas de emprego, estágio ou trainee para a população LGBTQIA+ em empresas privadas que contam com incentivo fiscal do Poder Público.

A matéria apresentada pelo vereador Marcelo Yoshida (PT) teve votos favoráveis apenas do próprio vereador e dos vereadores Alécio Cau (PDT) e César Rocha (DC).

O projeto estabelecia a reserva de 5% das vagas e a obrigatoriedade seria cumprida apenas para as empresas que possuíssem mais de 50 funcionários e gozassem de incentivo fiscal. O presidente da Câmara, vereador Franklin (PSDB), não votou, pois só votaria em caso de empate. Mônica Morandi (MDB) e Thiago Samasso (PSD) tiveram falta justificada na sessão e, por isso, também não votaram.

Segundo o autor do projeto, vereador Marcelo Yoshida, o objetivo era garantir empregabilidade e inclusão desse público que sofre preconceito no mercado de trabalho, principalmente as pessoas transexuais e travestis. Com a rejeição do projeto em plenário, o texto será arquivado.