GCM de Valinhos e Campinas detém enfermeira por furto

GCM de Valinhos e Campinas detém enfermeira por furto

Corporação também detém vigilante após acusado de agredir a ex-mulher depois de segui-la
Corporação também detém vigilante após acusado de agredir a ex-mulher depois de segui-la

Equipes da Guarda Civil Municipal (GCM) de Valinhos e de Campinas detiveram uma enfermeira de 37 anos,moradora de Valinhos, por furto consumado de diversos medicamentos pertencentes a um hospital de Campinas. A denúncia foi feita pela própria mãe da enfermeira, após ela telefonar solicitando que os remédios fossem queimados. A detenção ocoreu por volta das 13h desta terça-feira (14), no Jardim São Marcos.

Após receber o telefonema da enfermeira, a mãe, de 56 anos, entrou em contato com o centro de comunicações da GCM de Valinhos, pedindo que uma viatura fosse a sua residência buscar os medicamentos.

Os guardas fizeram a identificação da enfermeira e de seu local de trabalho. Ela foi detida pela GCM de Campinas na Vila Boa Vista, onde confessou os furtos. Representantes do hospital estiveram na delegacia para identificar os produtos. A enfermeira foi indiciada por furto consumado e, por não ter sido surpreendida em flagrante, poderá responder à Justiça em liberdade.

À noite, por volta das 22h45, também no Jardim São Marcos, componentes do policiamento da GCM foram acionados por uma balconista de 24 anos. Com a boca ensanguentada, ela alegou que seu ex-marido, um vigilante de 29 anos, teria desferido um soco, após segui-la desde a saída de um curso.

O suspeito foi localizado e reagiu contra os guarda, que tiveram de controlá-lo. Ele foi conduzido à delegacia, onde foi preso em flagrante com base na Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), sendo transferido à cadeia anexa ao 2º Distrito Policial em Campinas. A vítima afirmou que estava sob medida protetiva concedida pela justiça.

Atos obscenos

Um homem de 43 anos foi detido na madrugada do sábado (11), na Vila Santana, após mostrar o órgão genital e urinar. Os GCMs deram ordem legal de detenção. O acusado foi encaminhado até a delegacia e indiciado criminalmente por atos obscenos, ficando à disposição da Justiça, após ter sido liberado.