Valinhos começa a semana na fase vermelha

Valinhos começa a semana na fase vermelha

Rua Eugênio Franceschini, no centro, antes de Valinhos voltar para a fase vermelha que permite apenas o funcionamento de atividades essenciais
Rua Eugênio Franceschini, no centro, antes de Valinhos voltar para a fase vermelha que permite apenas o funcionamento de atividades essenciais

Valinhos começa a semana, assim como toda regiao de Campinas, na fase 1 - vermelha - do Plano São Paulo que estabelece as fases de retomada economica no Estado em função da pandemia do novo coronavirus.  A região,composta por 41 cidades volta a fase do alerta máximo em função do avanço da doença no interior do Estado.

Só poderão funcionar serviços essenciais. O anuncio foi feito na última sexta-feira, dia 3, pelo Governador João Doria, que também manteve a quarentena até o próximo dia 14. Além da região de Campinas outras nove regiões estão na fase vermelha de restrição total de atividades não essenciais.

Valinhos tem 799 casos positivos da doença, com 30 mortes confirmadas e outras 7 mortes em investigação. Até a última sexta-feira, dia 3, 67 pacientes estavam internados na Santa Casa e no Galilleo, sendo que 33 estavam em UTIs (24 na Santa Casa e 9 no Galileo), com quadros mais graves, e outros 34 em enfermarias (17 na Santa Casa e 17 no Galileo).

A taxa de ocupação das UTIs na cidade (atendimento SUS e privado)  estava em 64%, menor índice registrado desde o dia 8 de junho, segundo informações oficiais dos hospitais à Secretaria Municipal da Saúde. Dos 52 leitos disponíveis para covid (32 na Santa Casa e 20 no Galileo), 33 estão ocupados no momento.

“São Paulo continuará seguindo as orientações da medicina e da ciência. Sem concessões a ideologias, pressões ou propostas populistas", afirmou o Governador. 

Para avançar para as fases mais flexiveis é necessário que a população, não apenas de Valinhos, cumpra o isolamento social e fique em casa, principalmente as pessoas dos grupos de maior risco, com mais de 60 anos e comorbidades. E os que tiverem que sair de casa precisam lembra de usar máscara que é obrigatória no Estado de São Paulo.

Desde a última quinta-feira, dia 2, está em vigor a lei que estabelece aplicação de multa para pessoas e estabelecimentos comerciais que desrespeitarem o uso obrigatório de máscaras de proteção contra o novo coronavírus. As punições variam entre R$ 524 e R$ 5 mil.

A medida estabelece que a pessoa que for vista sem máscara em espaços públicos e particulares de uso comum deve ser multada em R$ 524. Já os estabelecimentos comercias vão pagar R$ 5.025 para cada pessoa que estiver no local sem a proteção. Há ainda a previsão de uma multa de R$ 1.380,50 se o estabelecimento não afixar placas que informam sobre a obrigatoriedade da máscara.

A nova resolução não prevê punição para quem está em carro particular. O uso de máscaras no transporte público e de aplicativos já era obrigatório no estado desde o início de maio.

Capacidade hospitalar

Segundo os indicadores de saúde nesta quinta atualização, a capacidade hospitalar para atendimento a pacientes graves de COVID-19 é satisfatória na maioria das regiões, mas há preocupação em relação a cidades os DRSs de Ribeirão Preto (86% de ocupação em UTIs COVID-19), Campinas (80%), Barretos (77%), Sorocaba (75%) e Piracicaba (70%).

A média estadual é de 64% de ocupação em leitos de terapia intensiva, ante 65,5% há uma semana, e de 20,2 vagas para cada cem mil habitantes – há sete dias, eram 19,7.

Segue a apresentação do Plano SP: https://www.saopaulo.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/07/balanco-plano-....