SEAS aponta redução de 75% no atendimento da população de rua

SEAS aponta redução de 75% no atendimento da população de rua

Estudo do SEAS (Serviço Especializado de Abordagem Social aponta, por métodos gráficos, que houve uma redução de 75% de pessoas em situação de rua no munícipio, com a queda de 354 atendimentos em março para 83 neste mês de julho
Estudo do SEAS (Serviço Especializado de Abordagem Social aponta, por métodos gráficos, que houve uma redução de 75% de pessoas em situação de rua no munícipio, com a queda de 354 atendimentos em março para 83 neste mês de julho

A Campanha “Não Dê Esmola, Dê Cidadania” definitivamente deu certo. É nítido, principalmente, para quem circula frequentemente pelo Centro da cidade que houve uma expressiva redução de pessoas em situação de rua. Os números da Secretaria de Assistência Social comprovam este novo cenário na cidade.

Estudo do SEAS (Serviço Especializado de Abordagem Social aponta, por métodos gráficos, que houve uma redução de 75% de pessoas em situação de rua no munícipio, com a queda de 354 atendimentos em março para 83 neste mês de julho.

Os números foram apresentados na manhã desta sexta-feira (28), na Prefeitura, durante reunião do Comitê Municipal e Intersetorial de Monitoramento da Política para Inclusão de Pessoas em Situação de Rua.

Segundo a secretária de Assistência Social, Dulce Maria de Paula Souza, a campanha, que foi iniciada no dia 16 de abril, reduziu significativamente a alta circulação de pessoas em situação de rua em Valinhos. “A união de esforços para a contenção da realidade de pessoas em situação de rua demonstra a eficácia no alcance de resultados de um fenômeno que é de responsabilidade da sociedade como um todo”, destacou a secretária.

O Estudo traz ainda uma demonstração de queda de atendimentos entre junho do ano passado e este mês. Em junho de 2018 foram realizados 233 atendimentos de pessoas em situação de rua contra 83 neste mês. A queda é de 63% de um ano para o outro.

Outro ponto positivo apontado pelo o Estudo é que na Casa de Passagem e Acolhimento do Joapiranga, desde do dia 11 de abril, dos 26 acolhimentos, três deles, que representa 14% do total, tiveram o chamado desligamento construído. Trata-se de um desligamento gradativo e estabelecido juntamente com o usuário. “É um verdadeiro processo de construção de autonomia que será alcançado quanto o indivíduo realizar de maneira efetiva as atividades que visam a ressignificação dos vínculos construídos e suas novas possibilidades de vida”, explica a secretária de Assistência Social.

Segundo Fernando Rodrigues, presidente interino do Comitê e representante da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) a Campanha “Não Dê Esmola, Dê Cidadania” realmente tem mostrado resultados positivos. “Essa campanha tem que ser mantida para que a redução prossiga. Para isso vamos estudar e discussões ações de apoio pelo próprio Comitê, salientou o advogado.

O presidente do Conseg (Conselho de Segurança), José Luís Violante, disse que a redução do número de pessoas em situação de rua é reflexo de um trabalho conjunto do SEAS, Casa de Abrigo e Passagem e da campanha, que possibilitou, principalmente, a conscientização da sociedade que não está mais dando esmolas. “Em todas as reuniões do Conseg reforçamos a importância da campanha e seu objetivo”, ressaltou.