Procon Valinhos realiza 2 mil atendimentos na pandemia

Procon Valinhos realiza 2 mil atendimentos na pandemia

Maioria das reclamações é sobre preços abusivos de itens de primeira necessidade, como alimentos da cesta básica, produtos de higiene e limpeza
Maioria das reclamações é sobre preços abusivos de itens de primeira necessidade, como alimentos da cesta básica, produtos de higiene e limpeza

O Procon soma ao menos 2 mil atendimentos a consumidores desde o início da quarentena provocada pela pandemia da covid-19, instituída por decretos Estadual e Municipal desde março. A equipe atua para manter equilíbrio na relação de consumo e garantir o fornecimento de produtos a preços justos.

Os atendimentos englobam denúncias de preços abusivos, dúvidas de consumidores, entre elas sobre contratos de serviços não prestados em razão do isolamento social, fiscalizações em supermercados, farmácias e comércios em geral, além de notificações e aberturas de processos.

A maioria das reclamações é sobre preços abusivos de itens de primeira necessidade, como alimentos da cesta básica, produtos de higiene, limpeza,  álcool em gel, máscaras de proteção facial e botijão de gás.

A diretora do Procon, Vilma Albuquerque, disse que o número de fiscais voluntários, como chama os moradores que fazem denúncias, aumentou na quarentena. “A página do Procon no Facebook está com cerca de 1.500 seguidores, que acompanham nosso trabalho e ajudam a fiscalizar”, disse.

“Este trabalho de orientação e fiscalização não vai parar. Já podemos constatar que há maior equilíbrio nos preços e também que os consumidores estão mais tranquilos em relação ao abastecimento dos produtos”, destacou a diretora.

Vilma explicou que a maioria dos comerciantes tem colaborado, vendendo mercadorias, principalmente da cesta básica, a preços justos. Ela citou denúncias de consumidores sobre alta abusiva de preço do botijão de gás e do álcool em gel. O órgão orientou e notificou os estabelecimentos, que reduziram os valores.

“Lançamos a campanha Álcool gel a lucro zero. O item ainda é um dos mais procurados pelos consumidores para a higienização das mãos e chegou a ser oferecido com uma margem de lucro de 40%. A campanha foi um sucesso. A maioria dos estabelecimentos mantém até hoje a venda do produto a lucro zero, ou bem baixo”, destacou Vilma.

Mesmo com a restrição do atendimento presencial pelo Procon, a equipe recebe e atende solicitações por telefone, e-mail, no Facebook, e atua preventivamente na fiscalização junto ao comércio. “Esperamos continuar contando com os fiscais voluntários para nos ajudar neste momento de grandes dificuldades”, disse Vilma.

 

Contatos do Procon:

Telefone: 3849-1140

E-mail: procon@valinhos.sp.gov.br

https://www.facebook.com/proconvalinhos