Festa do Figo e Expogoiaba foram adiadas para 2022

Festa do Figo e Expogoiaba foram adiadas para 2022

A 72ª Festa do Figo e a 27ª Expogoiaba foram adiadas para 2022 após reunião na segunda-feira (19) com a participação de entidades sociais de Valinhos e ligadas à agricultura e a Prefeitura. O motivo é a Pandemia da COVID-19. A decisão por adiar o evento, que anualmente é promovido entre a segunda quinzena de janeiro e primeira semana de fevereiro com um público de cerca de 100 mil pessoas, atende as orientações das autoridades sanitárias com o objetivo de evitar aglomerações e uma transmissão maior da doença.

Esta é a primeira vez em 71 anos que a Festa do Figo deixará de ser promovida de forma consecutiva. O evento abre as festividades no Circuito das Frutas e, assim como Valinhos, outros municípios também já optaram por cancelar ou adiar eventos do mesmo gênero e porte por causa do período pandêmico.

O consenso em adiar para 2022 a próxima edição da festividade foi geral entre os representantes da Asserutil (Associação das Entidades de Assistência de Utilidade Comunitária de Valinhos), Sindicato Rural, Associação Agrícola de Valinhos e Região, Associação do Clube de Mães e da FEAV (Fórum das Entidades Assistenciais de Valinhos).

Todas estas entidades, que atuam diretamente na realização da festa, contam com o evento financeiramente para as vendas de produtos de seus associados, reforçando o orçamento anual, e no caso dos produtores rurais garantirem o escoamento de boa parte da produção das frutas logo no início do ano.

Segundo explicou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Luis Gustavo Bottura Previtali, aos representantes das entidades, há dificuldade em realizar o evento em tempo hábil, sendo que geralmente as licitações para a viabilização da sua estrutura teriam que ser abertas desde agosto, além da necessidade e a dificuldade em garantir a segurança do público que estaria mais exposto ao vírus, em grande aglomeração.

Os representantes, assim como o governo municipal, em comum acordo e de forma decisiva, destacaram que a sensatez e a segurança do público, formado na maior parte por turistas de várias regiões do país, estão em primeiro lugar e, num segundo momento, a ideia é encontrar alternativas para minimizar a falta de recursos provenientes da realização do evento por parte das entidades.