Estação de Tratamento de Lodo da ETA 1 entra em fase de teste

Estação de Tratamento de Lodo da ETA 1 entra em fase de teste

Com o objetivo de promover economia e evitar o desperdício de água no processo de tratamento, o Departamento de Águas e Esgotos de Valinhos (DAEV) construiu duas Estações de Tratamento de Lodo (ETL) junto às Estações de Tratamento de Água (ETA). Na semana passada, o tanque de lodo da ETL da ETA 1, no bairro Castelo, entrou em fase de teste para eventuais adequações.

“É um processo novo que precisa ser adequado ao nosso sistema de tratamento de água, por isso a fase de teste”, explicou o diretor do DAEV, engenheiro João Damiano. As obras do tanque de lodo da ETA 2, no Jardim Pinheiros, estão na fase de construção das paredes de concreto.

“As duas estações de tratamento do lodo, que é proveniente do próprio sistema de tratamento de água, mais especificamente da lavagem dos filtros e decantadores, vão contribuir muito para evitar perdas de água neste processo”, explicou o presidente do DAEV, Ricardo Gardin.

Segundo Gardin, somente no processo de lavagem dos filtros e decantadores são utilizados quase um milhão de litros de água por dia. “As duas estações vão evitar desperdício porque a água será reencaminhada para o tratamento. Também vão garantir destinação ambientalmente correta do lodo para o aterro sanitário”, disse.

De acordo com Gardin, o DAEV investiu cerca de R$ 1,5 milhão, em recursos próprios, na construção das duas Estações de Tratamento de Lodo. Com a entrada em funcionamento das duas unidades, a operação do DAEV se tornará mais eficiente e ecologicamente correta e a Autarquia passará a atender todos os requisitos normativos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

Como funciona

A Estação de Tratamento de Lodo é uma estrutura com tanque que armazena o material, lodo e água, resultante da lavagem de filtros e decantadores das ETAs. O material é bombeado para bolsas (bags) com aplicação de polímeros separando a água dos resíduos (lodo)

A água retorna para o tratamento e o lodo é destinado ao aterro sanitário, reduzindo perdas e aumentando a economia de água no processo.

O DAEV pleiteou recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), do governo do Estado de São Paulo, para aumentar a capacidade de operação e instalar centrífugas na Estação de Tratamento de Lodo da ETA I.