Escola da APAE “Maria Antônia Celani” completa 35 anos

Escola da APAE “Maria Antônia Celani” completa 35 anos

Há 35 anos era fundada na APAE Valinhos, a Escola de Educação Especial Maria Antônia Celani, através da Portaria do Diretor Técnico da Delegacia de Ensino de Campinas, de 18 de fevereiro de 1986 que dava autorização de funcionamento da Escola de Educação Especial, cujo objetivo era a educação especializada para as pessoas com deficiência. A escola entrou em atividade no dia 21 de fevereiro de 1986.

Na escola também conhecida como “Escola da APAE", muitos passaram por ela, outros continuam estudando e frutos generosos vão sendo colhidos, pela excelência da educação praticada.

Maria Antônia Celani era mãe de Ferrucio Celani que em 1949 doou uma área de 3.000 m2, na Rua Itália, para a construção de um posto de puericultura, que foi inaugurado em 1950, ano em que Maria Antônia Celani deixava o nosso convívio. Em sua homenagem foi dado o seu nome àquele espaço, que durante anos atendeu famílias carentes com vacinas, distribuição de leite, consultas médicas a cargo do Dr. Silvio Antoniazzi, que durante anos esteve à frente desse serviço, que era mantido com recursos do estado.

Com a construção do Centro de Saúde na Vila Santana, o Posto deixou de existir e no local foi instalada a APAE, fundada em 11 de abril de 1971, obra do Padre Leopoldo Von Liempt. Reconhecendo o valor da família Celani, também a APAE quis prestar uma homenagem à avó de Segismundo José Romano Celani, dando o nome dela à escola instalada na entidade em 1986 e que neste mês completa 35 anos de existência.

A pedagoga Ana Paula Tieko, trabalha com seus alunos mesmo à distância, a história de Maria Antônia Celani e destaca: “Imagine há 35 anos o trabalho que foi implantar uma escola para pessoas especiais?  Hoje podemos constatar a importância dela, vejo no grupo de Teatro Vem Ser, muitos alunos que passaram pela Escola Maria Antônia Celani, onde além da educação, expertise foram desenvolvidos conceitos de cidadania, amor ao próximo e a busca por uma vida melhor”.

A ex-coordenadora da APAE Maria Lucila de Carvalho, fala com orgulho da sua passagem pela APAE. “Minha vida indiscutivelmente se transformou, quando pude estar a serviço desse meu próximo tão amado”.

Para o presidente da entidade Luís Roberto Roson, o tempo de pandemia frustrou as comemorações dos 50 anos que vão acontecer em abril próximo, mas é importante destacar os feitos, como a implantação dessa escola Maria Antônia Celani, pois ela garante a oportunidade de desenvolvimento dos nossos alunos. “Padre Leopoldo caminhou com a APAE e mesmo não estando mais entre nós, a sua obra foi se desenvolvendo e estamos chegando ao Jubileu de Ouro, agradeço a esta cidade que acolheu a APAE, que nos ajuda e nos incentiva a seguir adiante”, finaliza Roson.