Defesa Civil interdita ponte na Capuava três dias antes de ceder

Defesa Civil interdita ponte na Capuava três dias antes de ceder

Com as fortes chuvas que ocorrem desde sábado, dia 8, parte da ponte cedeu na tarde desta segunda-feira, dia 10, depois que ela já estava interditada
Com as fortes chuvas que ocorrem desde sábado, dia 8, parte da ponte cedeu na tarde desta segunda-feira, dia 10, depois que ela já estava interditada

A Defesa Civil de Valinhos interditou na sexta-feira (7) a ponte sobre o Ribeirão Pinheiros que dá acesso à Associação Cultural Educacional Social e Assistencial Capuava (Acesa), no bairro Capuava, como medida preventiva, após verificar o comprometimento da estrutura da ponte. Com as fortes chuvas que ocorrem desde sábado (8), parte da ponte cedeu na tarde desta segunda-feira (10), depois que ela já estava interditada.

Equipes da Defesa Civil e da Secretaria de Obras e Serviços estiveram no local para verificar as medidas a serem adotadas. De acordo com o diretor do Departamento de Infraestrutura Urbana, engenheiro José Antonio Francisco Alves, a Secretaria de Obras e Serviços está providenciando desde sexta-feira  material e equipamentos para recuperar a ponte.

Segundo a Defesa Civil, apenas entre domingo (9) e segunda-feira (10) às 7h, choveu 46,1 milímetros na cidade. Nenhuma ocorrência grave foi registrada, exceto a interdição da ponte. A previsão até domingo é de 167 milímetros distribuídos ao longo da semana.

A Defesa Civil informou que, conforme prevê a meteorologia, o mês de fevereiro será o mais chuvoso dos últimos 10 anos. Nos dez primeiros dias do mês, Valinhos registrou 140,5 milímetros de chuva, ainda de acordo com a Defesa Civil.

“As chuvas dos últimos dias prejudicaram algumas vias da cidade e nossas equipes estão todas comprometidas. A ponte de acesso a Acesa, na Capuava, é a única até o momento que compromete a mobilidade e, por isso, estamos dando caráter de urgência na sua recuperação”, explicou Alves.

O engenheiro afirmou que a queda de parte da ponte obstruiu a calha do Ribeirão Pinheiros e a prioridade será desobstruir o trecho. “Já estamos vendo uma forma de retirar esse entulho sem comprometer o que ainda resta da ponte, buscando evitar riscos maiores para quem está acima e abaixo deste ponto”, comentou Alves.

O diretor disse que é preciso aguardar as chuvas diminuírem para dar início aos trabalhos de recuperação da ponte, pois o solo encharcado nas duas cabeceiras compromete o trabalho. Segundo a Secretaria de Obras, uma manutenção nas cabeceiras da ponte foi feita há dois anos, mas a parte central acabou cedendo devido às fortes chuvas registradas neste mês.

Acesso alternativo

Com a ponte interditada, o acesso para a Acessa Capuava pode ser feito através da Rua Gildo Tordin, que começa no alto do Lenheiro, próximo a APAE Valinhos. Alves explicou que uma manutenção foi feita na Gildo Tordin na semana passada e outra será realizada amanhã para melhorar o trânsito.