Região de Campinas tem queda nas fatalidades de trânsito em 2019

Região de Campinas tem queda nas fatalidades de trânsito em 2019

Balanço anual do Infosiga SP registra redução de 4% nas mortes causadas por acidentes. Estado também apresenta queda nos índices

O Governo de São Paulo divulga balanço anual do Infosiga SP, sistema de dados gerido pelo programa Respeito à Vida que traz mensalmente estatísticas sobre acidentes de trânsito. De janeiro a dezembro de 2019, a região administrativa de Campinas registrou 927 fatalidades contra 963 no ano anterior, uma redução de 4%. Motociclistas lideram as estatísticas com 360 mortes, seguidas por ocupantes de automóveis (217), pedestres (212) e ciclistas (79).

Em todo o Estado, houve 5.433 fatalidades em ruas e rodovias, queda de 0,6% na comparação com 2018 e menor índice desde o início da série histórica do Infosiga SP, em 2015. No mesmo período, foram registrados 143 mil acidentes com vítimas fatais e não fatais.

Óbitos causados por acidentes de trânsito - Estado de SP

"A mobilização no Estado tem resultado em reduções constantes nos índices, mas o fato é que há ainda um longo caminho a percorrer", destaca o Vice-Governador e Secretário de Governo, Rodrigo Garcia. "Os número permanecem alarmantes e é preciso manter esforços e investimentos para combater a violência no trânsito. O programa Respeito à Vida tem essa finalidade e viabiliza projetos efetivos para salvar vidas em vias urbanas e rodovias".
Uma das frentes do programa é a promoção de convênios com as Prefeituras. Segundo o Infosiga SP, as vias municipais concentram 50% das fatalidades e 80% dos acidentes com vítimas. Além das ações de fiscalização promovidos pela Polícia Militar, o Estado destinou R$ 200 milhões para projetos de segurança viária elaborados pelos municípios. O recurso é proveniente de multas aplicadas pelo Detran.SP. Atualmente, 304 cidades participam do programa e mais de 8,7 mil intervenções estão em andamento, incluindo obras de engenharia e sinalização e ações educativas para todas as idades.
Em 2019, houve redução de 0,5% nos óbitos em vias municipais. Nas rodovias que cortam o Estado, foi registrado aumento de 2,5% nas ocorrências:

          

Estatísticas de 2019
Durante o ano, houve redução dos índices em 7 meses. Dezembro teve 503 óbitos, redução de 1,4% na comparação com o mesmo período de 2018. Já fevereiro registrou o menor número de vítimas em um único mês desde 2015 (347 fatalidades):

Acidentes com vítimas
Desde setembro de 2019, o Infosiga SP passou a disponibilizar, além de informações sobre óbitos causados por acidentes, dados sobre ocorrências com vítimas não fatais. O banco de acidentes com vítimas registrou 143.278 ocorrências de janeiro a dezembro. Em todo o Estado, a proporção é de 26,3 acidentes para cada vítima fatal.

Dessas ocorrências, 79,7% foram em vias municipais e 20,1% em rodovias (em 0,2% dos casos não foi possível definir com precisão a jurisdição da via). Nas cidades, a proporção é de 42,4 acidentes para cada óbito. Nas rodovias, a proporção é de 11,5 acidentes para cada vítima fatal.

Acidentes com vítimas no Estado (2019)


Queda nos atropelamentos

O número de vítimas pedestres reduziu no Estado. Foram 1.397 ocorrências em 2019 contra 1.463 no ano anterior (-4,5%). O índice é o menor desde o início da série histórica do Infosiga SP. Em 2015, foram registrados 1.740 óbitos de pedestres, redução de 19,7%.

"Os pedestres são os mais expostos em caso de acidentes e prioridade no trânsito, o que já é previsto em Lei. Se olharmos mais de perto, vemos ainda que uma em cada três vítimas pedestres é idosa com mais de 60 anos de idade. Apesar da redução, temos ainda um número de alto de ocorrências. E a solução para isso é, além de ações preventivas, um comportamento mais humano e solidário", enfatiza a coordenadora do programa Respeito à Vida, Silvia Lisboa.

Óbitos de pedestres - Estado

Já os motociclistas seguem liderando as estatísticas. O grupo corresponde a 35,2% das vítimas fatais de acidentes no Estado, seguido por pedestres (25,7%), ocupantes de automóveis (25,5%) e ciclistas (7,4%). Em 2019, foram 1.911 fatalidades, aumento de 0,7% na comparação com o ano anterior (1.898). As vítimas são principalmente jovens com idade entre 18 e 29 anos (43,7%), superando a média geral para essa faixa etária (25,1%).
Óbitos de motociclistas - Estado

Entre os ocupantes de automóvel, houve alta de 2,7% nas fatalidades (1.387 vítimas). A maior parte dos acidentes (64,6%) ocorreram nas rodovias que cortam o Estado e se concentraram no período da noite (54,1%) e nos finais de semana (55,1%). Em 62,4% dos casos, a vítima é o próprio condutor.

Óbitos de ocupantes de automóvel - Estado

Também houve aumento nos casos envolvendo ciclistas. Foram 404 óbitos registrados no ano contra 394 em 2018 (+2,5%). Chama a atenção o fato de que 70,3% dos acidentes foram colisões contra outros veículos, principalmente automóveis (38,5%) em vias urbanas (55,7%). As ocorrências estão concentradas nos dias de semana, com 68,6% dos casos registrados entre segunda e sexta-feira e durante o dia (52,6%).

"A bicicleta é um modal importante nas cidades, mas o trânsito diário ainda apresenta riscos para esse grupo. Os projetos que realizamos por meio dos convênios com os municípios visam beneficiar esse meio de transporte e isso inclui a construção de ciclovias e adequação da sinalização, além de ações educativas voltadas para os motoristas", destaca Silvia Lisboa.

Óbitos de ciclistas - Estado

Sobre o programa Respeito à Vida

Programa do Governo do Estado de São Paulo, atua como articulador de ações com foco na redução de acidentes de trânsito. Gerido pela Secretaria de Governo, envolve também as secretarias de Educação, Segurança Pública, Saúde, Logística e Transportes, Transportes Metropolitanos, Desenvolvimento Regional, Desenvolvimento Econômico e Direitos da Pessoa com Deficiência.

O Respeito à Vida também é responsável pela gestão do Infosiga SP, sistema pioneiro no Brasil, que publica mensalmente estatísticas sobre acidentes com vítimas de trânsito nos 645 municípios do Estado. O programa mobiliza a sociedade civil por meio de parcerias com empresas e associações do setor privado, além de entidades do terceiro setor. Em outra frente, promove convênios com municípios para a realização de intervenções de engenharia e ações de educação e fiscalização.

Atualmente, 304 cidades são parceiras do programa e R$ 200 milhões em recursos provenientes de multas do Detran.SP beneficiam 96% da população.

+ Fotos: