Um legado para Valinhos

A ótima noticia da revista Exame, a principal revista de economia do Brasil, que coloca Valinhos entre as dez cidades do país com as melhores condições para a realização de negócios, num seleto grupo formado por capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis, legitima as ações de governo realizadas pelo prefeito Clayton Machado (PSDB), nesses últimos quatro anos, visando recuperar a economia local.
O ranking, elaborado pela Consultoria Urban Systems a pedido da Exame, está em sua terceira edição e teve início em 2014. Já no primeiro ano Valinhos ficou em 45ª entre as 100; em 2015 conquistou a 21ª posição e agora o respeitável 10o lugar. 
Na prática, o que isso quer dizer? Quer dizer que mesmo diante da maior crise econômica da história do país, Valinhos soube como nenhuma outra cidade ser protagonista e não ficou, como muitas cidades estão, aguardando por ações e decisões do governo central.
Ao assumir essa responsabilidade, Valinhos que durante oito anos viu suas empresas fecharem as portas ou migrarem para outras cidades, começou a entender que era preciso desburocratizar o atendimento ao empresário, melhorar a relação com aqueles que aqui já estavam instalados e usar de todos os índices e dados de qualidade de vida e infraestrutura que temos para vender a imagem da cidade. Neste sentido, o trabalho de aproximação do município com a Invest São Paulo  demonstrou também ser uma parceria feliz e eficaz. 
Por anos fomos coadjuvantes e às vezes meros figurantes de uma economia regional que vinha acelerando os passos para conquistar o mundo. Com um PIB de R$ 142,3 bilhões, maior do que de 18 estados brasileiros, a Região Metropolitana de Campinas (RMC) está fazendo história no que se refere a desenvolvimento econômico e Valinhos, que por anos ficou olhando Vinhedo, Indaiatuba e Hortolândia, pra citar algumas cidade da RMC e Louveira, que esta fora, mas que é uma vizinha que nos anos 90 do século 20 fez bem sua lição de casa: atrair empresas, gerar empregos e rendas e hoje está escrevendo uma nova página desta história.
Os números apresentados pela Revista Exame trazem no seu bojo uma lógica estabelecida pela Consultoria Urban Systems para se chegar ao ranking que efetiva e legitima não apenas a política adotada pelo atual governo, mas que historicamente Valinhos, em que pese os percalços e erros estratégicos, se firmou como uma cidade dotada de boa qualidade de vida e boa infraestrutura. 
São levados em conta para a definição do ranking 28 indicadores, que levam em conta crescimento populacional, PIB, o Índice de Desenvolvimento Municipal (IDHM), índice de longevidade, percentual de trabalhadores com curso superior, Gestão Fiscal, número de leitos por mil habitantes, entre outros. Dentro desse universo, foram também estabelecidos outros três recortes: melhores cidades em desenvolvimento econômico; desenvolvimento social e infraestrutura. Valinhos ocupa a 3a posição no ranking de desenvolvimento social.
Em quatro anos recebemos mais de R$ 1,2 bilhão em investimentos privados, valor que historicamente supera a soma dos últimos 25 anos. Recebemos novas e importantes empresas como o superlaboratório farmacêutico Bionovis e as nossas tradicionais Eaton, Unilever e WestRock (antiga Rigesa) anunciaram investimentos em suas plantas.
Esse é provavelmente um dos principais legados que Clayton Machado vai deixar para seu sucessor, Dr. Orestes Previtale (PMDB) que assume a Prefeitura no dia 1º de janeiro de 2017. Saber cuidar e aprimorar esse resultado será um grande desafio, pois em se tratando de economia sabemos que qualquer tipo de decisão no macroambiente econômico irá interferir na realidade local e ter estratégias e politicas de desenvolvimento para amenizar esse impacto requer do gestor proatividade, dinamismo, vontade política e interesse.