E agora, quem é incompetente?!

Na semana passada o ex-petista e candidato a prefeito Alexandre Tonetti, hoje no PDT, em entrevista ao Jornal de Valinhos, de propriedade do ex-prefeito Marcos Jose da Silva, afirmou que o atual prefeito Clayton Machado (PSDB) e Dr. Orestes (PMDB), ambos candidatos a prefeito, são incompetentes.
A declaração acabou virando manchete do semanário e deu mais ou menos uma ideia de como a candidatura de Dr. Orestes esta sendo tratada pela principal liderança do PMDB na cidade. Internamente o clima ficou tenso no PMDB.
Por outro lado, a declaração demonstra que falta humildade para o candidato que esta postulando o cargo mais alto da administração pública municipal. Aliás, humildade ao que tudo indica não é muito seu forte.
Ao contrário, a declaracão demonstra claramente a prepotência de Alexandre Tonetti, que se coloca num patamar bem acima dos demais concorrentes, o que não é verdade.
Abusando da qualidade de ser bom orador, Tonetti manipula palavras, atos e gestos. Tudo muito bem pensado com o objetivo de passar uma imagem. Imagem de algo que não é. Um factoide, obra de marketing político.
Quem o conhece, sabe muito bem que mudou após sua associação ao PT, partido do qual foi presidente até março deste ano e que trocou de legenda apenas para tentar se desvencilhar das escabrosas ações de corrupção desvendadas pela Lava Jato e que levou as principais lideranças do PT nacional para a cadeia.
Tonetti mudou de partido, mas o ideário político petista o acompanhou. Para eles, mensalão e petrólão serão sempre obras de ficção, invenções da direita e que o Impeachment de Dilma é golpe.
Mas a declaração mostra talvez uma faceta que o valinhense ainda não conhecia de Tonetti, a de que ele “é o mais melhor de todos”, como diria o matuto. O jogo político está apenas começando e o candidato optou por tripudiar e atacar seus concorrentes.
Na semana em que deu a polêmica declaração ao jornal, Tonetti tomou um direto de esquerda da Justiça que provavelmente o está fazendo refletir sobre o conceito de competência. Mais que isso, para quem pretende ser prefeito, cumprir a lei é preceito fundamental.
Mas, para ele, provavelmente a liminar da Justiça de julho de 2015 que proibia a Cooperativa Habitacional Nova Ágora de fazer publicidade e comercializar unidades habitacionais é apenas fruto de uma ”aventura jurídica”.
Por conta disso e da sua propalada competência ele acabou sendo multado pela Justiça, a mesma que ele desobedeceu, em R$ 3,5 milhões.
Como pode alguém que se diz altamente competente permitir que uma Cooperativa criada para zelar pela concretização do sonho da casa própria e com menos de um ano de existência herde  uma dívida dessa monta?!
Falta de responsabilidade é o que podemos concluir de uma breve leitura da Ação Civil Pública proposta pela Prefeitura em julho de 2015. Na ocasião, a Cooperativa não estava nem formalizada e nenhum projeto habitacional havia sido protocolado na Prefeitura. Mesmo assim deram início à comercialização de terrenos, com o flagrante de pagamento feito na conta bancária da esposa de Tonetti.
É inadmissível para alguém que vive desfraldando suas qualidades de bom gestor aos quatro cantos da cidade, fazer tudo aquilo que vai contra os princípios da boa administração pública, especialmente neste caso, onde está em jogo o sonho da casa própria. Tonetti terá muito o que explicar aos cooperados da Cooperativa Nova Agora.
Não estamos aqui criticando o meio utilizado para se chegar ao fim desejado, o cooperativismo. Acreditamos no cooperativismo e o incentivamos. O que não aceitamos é o oportunismo que surge e abusa da simplicidade e da boa intenção das pessoas.
.