Aos 48 anos, um jornal conectado

Provavelmente naquele longínquo 1o de maio de 1968, quando comemoravam a primeira edição da Folha de Valinhos, os seus fundadores jamais imaginariam que  aquele pequeno jornal atravessaria cinco décadas de existência. Mais que isso, não imaginariam que todo o processo de produção do jornal passaria por uma completa revolução e entraria no século 21 como uma das empresas mais afetadas pela evolução tecnológica que transformou a forma como a sociedade consome informação.
A Folha de Valinhos mais que qualquer outro meio de comunicação da cidade foi impactada por essas mudanças e, ao seu modo procurou acompanhar essa evolução e se aprimorar no processo de produção do jornal. Hoje, o jornal continua sendo nosso principal produto, mas nosso negócio mudou de foco, hoje somos também uma empresa de produção de conteúdo para outras plataformas, especialmente a digital.
Nossa função social como jornal local sempre foi tratada com primazia, especialmente narrar semanalmente os principais fatos e acontecimentos da nossa cidade. E não seríamos testemunhas ocular de nossa historia se não estivéssemos predispostos a evoluir.
Quando o jornal começou a circular, palavras como calandra, chumbo e chapa, hoje desconhecidas da maioria dos jovens jornalistas e profissionais da área gráfica, faziam parte do cotidiano de quem produzia notícia. Depois, entre os anos 70 e 90 do século 20, chegamos a fase do past up, compenedora, impressão a laser e fotolito, um grande passo no processo produtivo de um jornal e mesmo assim são palavras distantes dos nossos jovens produtores de conteúdo que nasceram no mundo permeado pela Internet. Agora as palavras do momento são – PCP, transferência de arquivos em PDF, compartilhar, download, redes sociais, entre outras.
Em que pese essas transformações, a Folha de Valinhos sempre se alinhou com seus leitores e anunciantes visando sobretudo oferecer um produto de qualidade e com base num jornalismo responsável e ético.
Mesmo com a maior de todas as mudanças ocorridas em agosto de 2015, quando optamos por uma ampla e completa reforma gráfica, alterando inclusive o formato do jornal, esse alinhamento ou visão não mudou. Nosso compromisso continua sempre o de oferecer o melhor e mais completo jornal.
Mas somente essa grande reforma gráfica não bastaria para que pudéssemos acompanhar as mudanças que permeiam o campo da produção de conteúdo jornalístico e ao mesmo tempo estivéssemos antenados com a nova geração de leitores. Desde meados de 2015 já estávamos tratando da criação de nosso portal de conteúdo na Internet, uma ferramenta de informação imprescindível.
No dia 16 de abril de 2016, após alguns anos fora da Internet, a Folha de Valinhos se conectou com o mundo novamente e passou a oferecer em seu portal uma gama de conteúdo noticioso que nenhum jornal da cidade oferece. Sem perder nossa característica local, mas entendendo que nossos leitores e internautas merecem ter acesso a outros conteúdos, através da Agência Estado oferecemos notíciais 24 horas por dia sobre os principais fatos que acontecem no Brasil e no Mundo.
O jornalismo multiplataforma que passamos a praticar e oferecer aos nossos leitores e anunciantes desde o dia 16 de abril, é uma tendência sem volta e que todas as empresas jornalísticas estão praticando. Impresso, Portal de Conteúdo,  Mobile, Redes Sociais, fazem parte deste admirável mundo novo de que se atreve a produzir conteúdo jornalístico com seriedade e responsabilidade.
Para nós da Folha de Valinhos, o mais importante é chegar aos 48 anos com a vitalidade de um jovem de 20, disposto a encarar os desafios do mundo novo e voar sempre mais alto.