A pessoa com deficiência e sua aceitação pela sociedade.

Como você observa à deficiência? Você está preparado para conviver com o diferente? Estudar, trabalhar, recepcionar, namorar ou até mesmo casar com uma pessoa com deficiência?
Vivemos plenamente a década da inclusão, e se no passado as pessoas com deficiência eram escondidas e muitas vezes até eliminadas, como acontecia nos séculos XV e XVI, hoje, depois de muita luta dos movimentos de defesa e direitos das pessoas com deficiência, entendemos que a deficiência tem mais destaque, quando o meio em que vivemos, não está preparado para receber este público.
Se uma pessoa com deficiência, encontrar facilidade para realizar suas atividades, como por exemplo: rampas e calçadas acessíveis para pessoas em cadeira de rodas, piso tátil para o cego e interprete de Libras para os surdos, o enfoque na deficiência será diminuído significamente.
Quem não convive com á deficiência tem dificuldades de estabelecer um vínculo com o diferente, na maioria das vezes por desconhecimento ou por receio de não saber lidar e acabar por ser mal interpretada no uso de terminologias.
Algumas pessoas temem o contato com pessoas com deficiência, por ficarem na dúvida em como usar o palavreado do cotidiano. Numa conversa falamos: Veja aquilo! Para um cego ou corre lá! Corre aqui! Para um deficiente físico, frases como essas também são utilizadas por pessoas com deficiência, pois faz parte do cotidiano.
A tarefa dessa década é desfazer à cultura enraizada por séculos de costumes e pensamentos de que ter uma deficiência é sinônimo de ineficiência, tendo como única alternativa o assistencialismo do Estado e a benevolência do próximo.
Hoje, com todo o aparato tecnológico disponível, com ás políticas públicas pensadas na diferença das pessoas, independentemente de sua condição física ou sensorial com Leis que asseguram direitos e destacam deveres, marchamos firmemente no caminho para diminuir o preconceito e a discriminação.
Para se manter um contato sadio, livre de preconceitos e desconhecimento sobre a deficiência é preciso primeiro enxergar a pessoa e suas potencialidades e depois sua deficiência, pois o ser humano deve vir sempre na frente. A Deficiência é apenas uma característica da pessoa.
Quando perguntei como você observa a deficiência? Você imaginaria à história da música, arte, política e da ciência sem um Aleijadinho, Beethoven, Ray Charles, Galileu Galilei, Stephen Hawking, Nelson Ned, Franklin Roosevelt, Roberto Carlos, Boris Casoy e Van Gogh. Pois é, todas essas pessoas que entraram para história com sua arte e seu talento, sentiram na pele o tratamento desigual dado pela sociedade da sua época ás pessoas com algum tipo de deficiência. Com certeza o mundo sem essas pessoas teria menos, brilho, musicalidade, justiça e amor.

Vagner Alves, consultor em acessibilidade, formado em Administração pela Faculdade Anhanguera Educacional de Valinhos e Gestão Pública pelo INPG