Minha Casa Minha Morte

Durante o lançamento das inscrições para concorrer à casa própria, a única restrição era o limite da renda familiar, de até 03 salários-mínimos. Marcaram os prazos de inscrição, exigiram documentos e comprovantes e orientaram para aguardar a próxima etapa do processo.

Porém, ao serem chamados, os idosos foram desclassificados por questão de idade: simplesmente assim, por motivo de serem idosos.

O absurdo disso tudo é que, apesar de não terem sua própria casa, e de maneira geral terem um rendimento bem abaixo dos três salários-mínimos, era de se esperar que fossem merecedores de uma das unidades do projeto minha casa minha vida.

Então, ao terem negado seu direito por causa da idade, foram discriminados em flagrante desrespeito a Constituição, partindo-se da garantia de que todos são iguais perante a lei.

Se o argumento é que não viverão o suficiente para pagar pelo financiamento, então a discriminação é maior ainda, tendo em vista que ninguém pode estabelecer esta linha divisória entre a vida e a morte, não é mesmo?

Mas a julgar pelo motivo alegado da idade, certamente estão condenando os idosos a morrer antes do tempo. Assim, muda o chavão para “MINHA CASA MINHA MORTE”.
E outra grande questão permanece: onde estão os representantes do cidadão, entre eles os vereadores, os deputados, os senadores e a própria justiça?                                                                                                                                                    Duas outras questões: 1) a Caixa Econômica Federal argumenta que as pessoas que perdem suas casas por falta de pagamento estão dentro das estatísticas previstas(!)                                                    
2) E quê negócio é esse que os interessados têm de pagar comissão para as corretoras? Ninguém poderia negar o direito à casa própria. Por que negá-lo aos idosos?
Deixo as perguntas no ar, para que os responsáveis as respondam!

O PMCMV (Programa Minha Casa, Minha Vida) foi lançado em março de 2009 pelo Governo Federal. O PMCMV subsidia a aquisição da casa ou apartamento próprio para famílias com renda até 1,6 mil reais e facilita as condições de acesso ao imóvel para famílias com renda até de R$ 5 mil.

O programa tem cinco modalidades para a Faixa 1 de renda (famílias com renda de até 1,6 mil reais): Empresas, entidades, FGTS, Municípios com até 50 mil habitantes e rural. Cada modalidade atende um público específico. Os recursos do MCMV são do orçamento do Ministério das Cidades repassados para a Caixa Econômica Federal.

No ano de 2017 o programa Minha Casa Minha Vida, no governo Temer, sofreu algumas mudanças importantes. Inicialmente o programa teve a adesão da faixa 1,5 entre meio a faixa 1 e 2. O Programa também teve mudanças na renda máxima das faixas 1,5 e 2 aumentando para até R$2,6 mil na Faixa 1,5 e até R$4 mil na faixa 2.