A importância da família na educação

A família e a escola devem caminhar juntas para apoiar o desenvolvimento dos alunos, porém a aproximação entre ambos os lados ainda é um grande desafio.
Acordar dias e horários da reunião de pais ajuda a romper barreiras, mas não há uma regra geral de como aproximar famílias. A escola precisa descobrir um jeito de trazer essa participação. Entretanto, sem uma receita única para dar conta da aproximação entre escolas e famílias, casos bem sucedidos reforçam a importância de que é preciso ouvir os pais.
A falta de escuta resulta na convocação de encontros em dias e horários que as famílias não podem comparecer. Se de um lado a reclamação é de que ninguém vai às reuniões, do outro, a justificativa é de que não é possível faltar em um dia de trabalho ou desmarcar um compromisso assumido. Em muitos casos, a participação da família na escola fica restrita a ações pontuais.
A ausência de diálogo e a falta de uma cultura de participação são algumas das maiores dificuldades observadas no dia a dia.
A relação com as famílias deve estar entre as prioridades da escola, portanto, é preciso formar não só alunos, mas também os pais. Essa parceria pode trazer resultados para os alunos.
Não existe um limite claro entre o que é responsabilidade da família e o que é responsabilidade escolar, mas é importante que os dois lados trabalhem juntos para fazer com que o aluno aprenda e seja bem sucedido.
As pesquisas mostram que é importante para as famílias entenderem que elas têm um papel na vida de seus filhos. Se na educação infantil a criança precisa de afeto e referências para se desenvolver, quando ela chega à próxima etapa os pais ou responsáveis precisam valorizar a leitura para apoiar a sua alfabetização. Já na adolescência, a escola assume um papel muito importante de ajudar a família a compreender e se reconectar com o universo dos adolescentes. No ensino médio, as preocupações devem ser voltadas para ajudar os jovens no seu projeto de vida.
Tem inúmeras maneiras das famílias ajudarem a escola no crescimento do aluno. A própria presença da família é a coisa mais importante. Os pais querem ver os filhos crescerem e querem saber de que maneira a escola pode ajudá-los a atingirem seus objetivos.
As competências socioemocionais e a concepção de aprendizagem como uma habilidade para a vida podem formar a ponte que aproxima o trabalho da família e da escola.
O que motiva o envolvimento da família na educação é que os pais ou responsáveis não se sentem qualificados para ajudar os filhos nos conteúdos escolares, mas acreditam ser responsáveis por apoiar no desenvolvimento de habilidades para a vida.
Embora muitas famílias queiram se envolver mais, muitas não sabem por onde começar. Há diferentes níveis de engajamento. Antes que os pais estejam mobilizados para influenciar, eles devem estar engajados com a educação dentro de casa. Ai sim, eles conseguiriam se conectar mais com a escola e criar um compromisso com a educação em uma esfera maior. 

 

Luiz Carlos Allegretti, Bacharel em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão de Instituição de Ensino Técnico e Diretor da Escola SENAI de Valinhos