A Festa da Pandemia, o infectado especial, é você.

Dia desses, ouvi no noticiário que uma festa foi interrompida pela Policia Militar e Guarda Civil na capital paulista, as autoridades relataram que mais de 150 pessoas estavam se aglomerando e trocando COVID 19 entre si e embrulhando para viagem.

Antes que a policia perguntasse, alguém na festa já foi logo se identificando como organizador e disse que se tratava de uma desta familiar, e que estavam apenas, comemorando o aniversario de um Tio. Seria cômico se não fosse trágico, pois o tal tio não foi encontrado na festa do seu aniversário.

A desculpa para tal sumiço, foi de que o tiozinho estava cansado e resolveu ir embora. Desculpa mais esfarrapada. Infelizmente, casos como esse abarrotam os noticiários de rádios, TVs e internet.

As pessoas estão desafiando o VÍRUS da COVIDE 19, e colocando um país inteiro perto da UTI.

No último dia 20, em uma chácara do bairro Macuco Valinhos, a Guarda foi acionada, para verificar uma denúncia de uma festa para quase 400 pessoas, tudo isso paralelo à completa absorção dos leitos de UTI da Santa Casa e do Hospital Galileo.

Voltando ao caso do aniversário do tal Tio, mesmo que fosse apenas um aniversário para familiares, é preciso evitar a aglomerações, mais que cinco pessoas num mesmo ambiente, já é um sinal do vírus se espalhando.

Sobre a festa na chácara em Valinhos, tem que se encontrar o organizador e punir com o rigor da lei, não adianta apenas espalhar as pessoas, é preciso ser severo com esses que estão lucrando com a desgraça alheia.

Começamos o ano passado, esperando quando o tal pico do contagio chegaria, diziam abril, maio, junho, julho e terminamos 2020, sem saber se já tinha passado ou se iriamos chegar ao tal pico de contagio.

Neste interim, passamos por eleição, festas de fim de ano, um carnaval disfarçado com diversas aglomerações, principalmente por trás dos fortes da elite brasileira com festas em iates, fazendas e lugares paradisíacos.

Agora, a conta de toda essa irresponsabilidade chegou, e querendo ou não todos nós estamos pagando o preço.  Como exemplo, Porto Alegre e outras 10 regiões do Rio Grande do Sul foram classificadas (19. fev.2021) como de risco altíssimo de contágio pela corona vírus, agora, 68,4% do Estado deve adotar medidas equivalente à bandeira preta-a mais restritiva.