Abuso infantil é tema de debate na Casa da Criança de Valinhos

Abuso infantil é tema de debate na Casa da Criança de Valinhos

Instituição participa da campanha “Faça Bonito – Proteja nossas Crianças e Adolescentes”
Instituição participa da campanha “Faça Bonito – Proteja nossas Crianças e Adolescentes”

Um dado preocupante vem despertado a atenção das instituições que cuidam de crianças e adolescentes no Brasil. O crescimento no número de casos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes. Por esta razão, no último dia 18 de maio, Dia Nacional de Combate a estes males, a Casa da Criança de Valinhos intensificou a participação campanha “Faça Bonito – Proteja nossas Crianças e Adolescentes”, com uma série de recomendações à sociedade brasileira.

Ficar em casa é essencial em tempos de combate ao coronavírus. O distanciamento social é uma atitude necessária neste momento. Mas é preciso ficar alerta, pois outro perigo pode estar rondando os lares: o abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes. A Casa da Criança de Valinhos, além do Acolhimento Institucional - Abrigo e da Família Acolhedora, segue com o acompanhamento social e psicológico a dezenas de crianças e famílias da comunidade valinhense por meio do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, todos em parceria com a Secretaria de Assistência Social. 

“Infelizmente as estatísticas demonstram que os maiores abusadores são as pessoas próximas à criança, ou seja, algum familiar ou algum amigo(a) íntimo da família, que tenha acesso a essa criança. A gente pode ajudar ficando atento e escutando esta criança, ouvindo o que ela tem a nos dizer”, ressalta Adriana Simões, coordenadora da Casa da Criança e Adolescente de Valinhos.

Mudanças de comportamento repentinas de uma criança é outro ponto muito importante a ser observado e pode ser sinal de problemas. “Se a criança é extrovertida e de repente fica calada, amuada, pensativa, ou então, o contrário, ela é quietinha e de uma hora para outra, se torna falante e agitada, pode ser um indício de algo não vai bem”, destaca Adriana.

Cinco passos para identificar possíveis abusos

Em caso de abuso sexual durante a infância, é comum que a criança não se sinta confortável em falar sobre o assunto, e não encontre recurso para lidar com a situação. No entanto, alguns sinais podem ajudar a identificar um possível abuso:

1 - Alterações repentinas de humor: irritabilidade, crises de choro sem motivação aparente, tristeza, baixa estima ou isolamento social;

2 - Distúrbios do sono: Insônia, pesadelos ou sono agitado (terror noturno) e enurese noturna (xixi na cama) são os mais comuns;

3 - Distúrbios de alimentação: perda de apetite e até mesmo anorexia e bulimia;

4 - Dificuldades de aprendizado: queda no rendimento escolar, desinteresse repentino pelos estudos;
5 - Questões ligadas ao corpo: queixas quanto a dores estranhas, medo de ser tocado ou fixação por higiene pessoal.

É importante lembrar que apenas a existência de um destes sintomas não significa exatamente que a criança sofreu algum tipo de abuso, mas podem acender um alerta na família para verificar o que está acontecendo. O mais importante é manter diálogo com a criança, para que ela sinta-se confortável em verbalizar sobre suas questões íntimas, e possa compartilhar suas vivências com os responsáveis.

 

Cinco medidas que podem prevenir os abusos

1 - Conversar nunca é demais. Muitas crianças deixam de relatar um abuso por medo da reação dos pais. Portanto, é importante dar abertura para que elas possam se expressar;

2 - Manter um diálogo esclarecedor com seu filho sobre seu corpo e as questões da sexualidade, respeitando sua faixa etária e seus limites de compreensão. É importante que ele saiba que tem partes do seu corpo que só ele pode ver ou tocar;

3 - Manter um relacionamento próximo com a escola ou creche do seu filho. Muitas queixas são identificadas através deste meio. Professores e pais podem atuar juntos na prevenção;
4 - Estar atento a marcas, hematomas e arranhões. Crianças sempre aparecem com um machucado ou outro, mas é bom sempre verificar como aconteceram;

5 - Denuncie! Se tiver conhecimento de algum caso de abuso, não hesite em denunciar. Se cada um faz sua parte, cria-se uma rede de proteção à criança. Proteger o próximo é uma forma de proteger a si mesmo. Informe-se sobre os telefones de contato para denúncia e do conselho tutelar do seu município.

 

Disque 100

Caso testemunhe, saiba ou suspeite de qualquer tipo de abuso infantil, é preciso denunciar: disque 100 ou entre em contato com o Conselho Tutelar de sua cidade. Espalhe esta consciência! Faça parte da campanha “Faça Bonito – Proteja nossas Crianças e Adolescentes”.

 

Sobre a Casa da Criança de Valinhos

Há 27 anos, a Casa da Criança de Valinhos, reconhecida com o prêmio Melhores ONGs do Brasil e Selo de confiança VOA DOAR, atua como a única organização de acolhimento institucional da cidade. Em parceria com a Prefeitura Municipal de Valinhos, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, oferecem três frentes de trabalhos sociais e culturais disponíveis à comunidade. Além do Acolhimento Institucional, apresenta o Acolhimento Familiar e o Projeto Janela aberta/Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, que inclui também a parceria com a Secretaria de Municipal de Cultura e com a Secretaria Municipal de Esportes.

www.casadacriancadevalinhos.com.br