Entrevista: Cristiano Garcia, ex-Dominó

Entrevista: Cristiano Garcia, ex-Dominó

Em fevereiro deste ano, com o lançamento do disco “Eu não sou pra casar”, Cristiano deu início a uma nova jornada: seguir carreira solo
Em fevereiro deste ano, com o lançamento do disco “Eu não sou pra casar”, Cristiano deu início a uma nova jornada: seguir carreira solo

Nome: Cristiano Garcia
Formação: Musico/Compositor e Administração de Empresa (ADM)
Nascido em Valinhos
Mídias sociais: @cristianooficial10
www.cristianooficial.com.br

“Meu sangue é roxo e minha fruta favorita é o figo!
VALINHENSE COM MUITO ORGULHO!!!”

Quem não se lembra da boy band que, nas décadas de 80 e 90, invadiu o sonho romântico de milhares de adolescentes por todo o país? O Grupo Dominó fez história e ficará para sempre guardado no coração de fãs de todas as idades. Um dos integrantes da banda, Cristiano Garcia é um típico valinhense. Nascido na Santa Casa de Misericórdia de Valinhos, o cantor e compositor cresceu em uma das casas da Avenida Onze de Agosto, no Centro, onde viveu por cerca de 30 anos.
Em fevereiro deste ano, com o lançamento do disco “Eu não sou pra casar”, Cristiano deu início a uma nova jornada: seguir carreira solo. As músicas já estão disponíveis em todas as plataformas digitais. Em entrevista à Folha de Valinhos fala sobre sua passagem pelo Grupo Dominó, os desafios da carreira e sobre sua relação de amor com a terra do Figo Roxo.

Quando começou sua relação com a música?
Minha relação com a música começou muito cedo, desde criança já gostava
de instrumentos musicais, de ouvir e cantar músicas. Aos 10 anos comecei
a fazer violão na Casa da Cultura de Valinhos, depois fiz aulas
particulares de teclado, bateria... Lembro que meu pai me levava quando
criança, para ver os ensaios das escolas de samba da cidade, onde ele
tocava na bateria e eu ficava encantado!

Onde começou sua carreira artística?
Comecei minha carreira muito cedo como modelo, participava de desfiles,
fotos e comerciais. Minha mãe foi a incentivadora, ela me levava em
concursos e agencias de modelo desde muito pequeno. Nessa época fui
criando gosto pela vida artística, até a minha entrada no Grupo Dominó,
onde iria mudar totalmente minha vida.

Como foi participar do Grupo Dominó?
Uma experiência fantástica! Fazer parte da história e adolescência das pessoas, é uma alegria e tenho um orgulho muito grande! Nessa época viajamos por mais de 26 países em turnê, ganhamos disco de ouro internacional, fizemos shows juntos com Backstreet Boys, Spice Girls, Hanson, Rick Martin... Chegamos a ter no Brasil, mais de 800 fãs Club registrados, era uma marca enorme para a época.
A minha formação além de todo nosso trabalho, também ganhei mais três
irmãos, Rodrigo, Heber e Rodriguinho, onde nos falamos diariamente até
hoje!
Muitas fãs estão nos pedindo para fazer uma volta do Grupo Dominó,
confesso que tivemos até convites de gravadoras para o retorno. Quem
sabe...

E a despedida do Grupo?
Quando optei por sair do Grupo, não foi nada fácil! Mais como tudo na
vida tem que seguir seu caminho, fiz da melhor maneira. Foi uma decisão
madura da minha parte.

Desde quando segue carreira solo?
Em 2018 fui procurado e convidado pelo produtor Rick Bonadio para gravar
novamente. Até então eu nunca tinha parado com a música, estudo violão e
voz até hoje! Não pensei duas vezes em aceitar! O convite foi para
gravar solo, também me deixou muito à vontade para a escolha do meu
estilo e para gravar minhas composições. Gravamos e lançamos pela gravadora MIDAS MUSIC, o estilo é o Pop Latino onde tenho grandes influencias e uma enorme paixão pela música Latina.

Qual a inspiração para a criação deste novo disco?
Desde a época do Grupo Dominó sempre cantei músicas Latinas, a
inspiração foi natural. Tenho influencias de artistas como: Maluma,
Daddy Yankee, J Balvin, Luis Fonsi... entre outros! Hoje a música Latina
(Reggaeton), cresceu muito e está dominando as paradas mundiais!

Qual a maior dificuldade enfrentada em sua carreira?
A maior dificuldade é a distância da família.

Qual a maior conquista?
É difícil dizer qual a maior conquista, pois todas foram muito
importantes, como o Disco de Ouro internacional, reconhecimento no
Brasil, entre outros. O mais importante com certeza é o amor e carinho
das fãs, isso faz toda a diferença em minha vida!

Como é viver de música no Brasil?
Viver de música no Brasil não é fácil, como em qualquer lugar do mundo.
O que nos move é a paixão pela arte e o amor pela música. No final tudo
vale a pena!

O que é a música para você?
Música é a minha alma, é o sangue que corre em minhas veias! Acordo e
vou dormir ouvindo música... Sou muito grato a Deus por ter colocado a
música em minha vida!

Qual recado você deixaria para quem começar a carreira artística?
Nunca desista!! Como tudo na vida, nada é fácil e vem fácil. Nunca
abandone seu sonho, as vezes as opiniões das pessoas não são aquilo que
esperamos, por isso tenha foco e olhe sempre pra frente! Acredite em
VOCÊ!

Hoje, como é sua relação com Valinhos?
Falar de Valinhos pra mim é uma honra, um enorme caso de amor e
gratidão! Fui privilegiado por ter nascido e crescido nessa cidade
maravilhosa. Minha família toda é de Valinhos: pais, avós, tios, primos
e meus amigos queridos! Cresci na Avenida 11 de Agosto, no centro da cidade.
Tenho muito orgulho em falar da nossa cidade! Meu sangue é roxo e minha
fruta favorita é o figo! VALINHENSE COM MUITO ORGULHO!!!

+ Fotos: