A atriz Meire Moraes fala sobre a crise que o setor cultural enfrenta

A atriz Meire Moraes fala sobre a crise que o setor cultural enfrenta

A atriz e produtora de teatro Meire Moraes e seu marido Max Maciel: proprietários da Lumax Produções
A atriz e produtora de teatro Meire Moraes e seu marido Max Maciel: proprietários da Lumax Produções

RAIO-X
Nome completo: Meire Moraes
Idade: 48 anos
Principais atividades: atriz e produtora teatral
Formação: a vida

“Somos uma das únicas áreas que estão totalmente impossibilitadas de trabalhar”

A pandemia de coronavírus impôs mudanças em diferentes setores da sociedade e tem gerado crises financeiras incalculáveis para diversos segmentos. Entre os mais afetados, está o meio artístico. Com os espetáculos teatrais e musicais totalmente paralisados, a maior parte dos artistas está impossibilitada de trabalhar e, consequentemente, de garantir recursos para as contas do dia a dia. Com 10 anos de história na cidade de Valinhos, o casal Meire Moraes e Max Maciel – proprietários da Lumax Produções – viram seu orçamento despencar e, com fé e otimismo, buscam formas de se reinventar.

Porém, as bilheterias fechadas não impedem a Lumax de cumprir sua missão: oferecer entretenimento de qualidade para pessoas de todas as idades. No próximo dia 10, às 20h, a produtora vai transmitir via redes sociais a peça “O Chefe Novo de Cada dia”, espetáculo que atraiu centenas de pessoas para o Teatro Castro Mendes durante o último ano.

Como será a transmissão?
Vamos transmitir a filmagem da peça que ficou em cartaz no Castro Mendes. Quem não pôde ir, vai poder se divertir agora. A transmissão será feita pela página facebook.com/Producoeslumax/live/

Qual a história da peça?
Em uma Empresa Multinacional, a gerente Ana Paula, está muito nervosa com o andamento dos ocorridos. Terá que preparar a novata Cris em seu primeiro emprego, odeia a secretária Dona Selma, que julga ser amante do chefe, que além de ser um grosseirão, deu a promoção que era dela pra outra pessoa. Cris, Dona Selma e Ana Paula, acabam fazendo amizade e até comentam como que cada uma, eliminaria o chefe. Chegando no escritório acontece um imprevisto, ao que parece o chefe está morto. Como esconder o corpo? Quem será que cometeu esse crime? O Chefe Nosso de Cada dia.... Como Você eliminaria o seu?

Como a pandemia de coronavírus atingiu seu ramo de atividade?
Nós artistas fomos os primeiros a parar e com certeza seremos os últimos a voltar a trabalhar.

Com as atividades do meio artístico totalmente paralisadas, quais alternativas vocês têm encontrado? Esperando recurso do governo, porque lives para nós artistas independentes não geram arrecadação.

É possível mensurar os prejuízos que a Lumax teve até o momento?
Eu já estava sem trabalhar por ter tido um projeto adiado do ano passado desde novembro, quando retomamos ele em março 10 dias depois da estreia da peça, fechou tudo, e eu tinha mais 2 projetos para executar, 49 sessões que foram canceladas, e investimentos que fizemos para produção de espetáculo da Páscoa e também foi cancelado... Foi uma perda incalculável.

A Lei Aldir Blanc vai garantir auxílio para profissionais do meio artístico. O que essa ajuda representa para vocês neste momento?
Minha empresa tem 8 artistas, 1 camareira e 2 contrarregras e 2 técnicos de som e luz, sem dizer de pessoas que são envolvidas indiretamente. Essa ajuda seria de grande valia, pois conseguiria contribuir para que eles não ficassem tão desprotegidos.

Como você enxerga esse momento? Acredita que levará quanto tempo para recuperar os prejuízos?
Tenho fé que esse ano ainda possamos trabalhar, talvez de uma maneira diferenciada, com cuidados , mas creio que vamos conseguir. Os prejuízos foram muitos, pois tivemos que parar, mas as contas não param e estão acumuladas, isso tudo é muito ruim e não tem o que fazer, tenho que me policiar para não cair em depressão, e erguer a cabeça para ganhar ânimo e

Devido a quarentena, que tem obrigado as pessoas a ficarem em casa, as expressões artísticas parecem mais valorizadas por representarem uma das únicas formas de entretenimento possível. Como você enxerga isso? Acha mesmo que houve mudança no olhar das pessoas em relação aos artistas?
Acho que nossa aérea nunca foi muito valorizada, acho também que a #ficaemcasa tem um peso, porque as pessoas veem artistas lindos, em suas casas luxuosas com muita comida e dinheiro na conta, então veem as pessoas que estão sem trabalho, sem comida e desesperados isso acaba sendo irônico. Mas temos sim a TV com programas que nos diverte e faz com que o tempo passe mais rápido e isso é muito bom nesse momento.

Quando a Lumax foi fundada?
Está completando 10 anos esse ano.

Já enfrentou outra crise semelhante em termos financeiros?
Não, nunca... É a primeira e será inesquecível.

Você é a favor da quarentena?
Eu era a favor de uma quarentena para dar tempo de fazer os hospitais de campanha, mas acho que saiu um pouco da direção que quiseram tomar.

Entende a necessidade de seguir as regras de distanciamento neste momento?
Entendo que precisamos nos reinventar, pois o vírus está aí, e já era certo que a maioria iria se contaminar e infelizmente muitos ainda irão morrer, mas se todo mundo fizer a sua parte, vamos passar por isso, acredito que o vírus mata, mas a fome também, a depressão e angústia também são fatores graves... Precisamos ver uma maneira de seguir.

Quais as principais dificuldades do meio artístico neste momento? Tem sido difícil manter o otimismo?
Somos uma das únicas áreas que estão impossibilitadas de trabalhar, dependemos de eventos, teatros e escolas, ou seja aglomeração, sem isso não temos como sobreviver, mas temos como colocar pessoas num local de 500 lugares , e colocar 150, com máscara e álcool gel , creio que se fizermos a coisas certas tudo ficará bem.

Como está o lado emocional? Qual seu principal medo neste momento?
Meu lado emocional está abalado com certeza, mas fé é uma coisa que tenho e sei que Deus estará em nosso socorro. É uma fase, temos que aprender algo com ela. E aprenderemos. Meu maior medo é que as pessoas fiquem com medo e não quiserem ir mais ao teatro, ao cinema. E que os artistas para elas sejam apenas aqueles que entram dentro da casa delas. Se isso acontecer será realmente o fim do teatro e de artistas que assim como eu sobrevive dessa arte. Gostaria de fazer um pedido para as empresas de Valinhos. Trabalhamos com projetos de leis de incentivo à cultura PROAC e Rouanet onde parte do imposto ICMS/ IR recolhido pelas empresas, ouve parte desse imposto pode ser investindo à projetos culturais sem custo algum para as empresas, incentive produtores de Valinhos, aportando sua verba para proponentes do município.

 

+ Fotos: