Comunidade Bahá’í de Valinhos completa 30 anos

Comunidade Bahá’í de Valinhos completa 30 anos

A família Anvari: Meire - Mehranoosh Akhbari Anvari Rouhollah Anvari Maryam Marta Anvari e  Marzieh Anvari Shaikzadeh.
A família Anvari: Meire - Mehranoosh Akhbari Anvari Rouhollah Anvari Maryam Marta Anvari e Marzieh Anvari Shaikzadeh.

A Comunidade Bahá’í de Valinhos está comemorando, neste ano, trinta anos, com a chegada da família Anvari, que aqui estabeleceu residência, e um de seus primeiros contatos na cidade foi com a Folha de Valinhos.

Após chegada da família Anvari, outras, como a família Malekhzadeh Fadel, a Ardestani, a Eftekhari também aqui se estabeleceram e a Comunidade Bahá’í começa a expandir-se, elege sua primeira Assembleia Espiritual, conselho formado por nove membros, responsável pelo desenvolvimento das atividades administrativas e comunitárias bahá’ís.

Os bahá'ís acreditam na construção da paz universal através do amor, da caridade, da generosidade e da fraternidade exercidos pelos indivíduos. Através das ações e atitudes dos indivíduos e, consequentemente, suas comunidades, o mundo alcançará paulatinamente o estabelecimento dos princípios fundamentais revelados por Bahá’u’lláh, Profeta Fundador da Fé Bahá’í, como a unidade de Deus, da religião e da humanidade, um tribunal internacional de justiça, um governo federativo mundial, com o desarmamento coletivo da nações, eliminação de preconceitos de qualquer espécie, eliminação de extremos de riqueza e pobreza, para citar alguns.

No mundo atualmente são cerca de sete milhões de bahá’ís, e em Valinhos hoje contam-se 40 pessoas. A Comunidade Bahá’í também está estabelecida em muitas das cidades da região como Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Vinhedo, Campinas, Indaiatuba, Jundiaí, Cajamar, Americana e Paulínia.

Desde que se estabeleceu na cidade, a Comunidade Bahá’í tem estado ativamente presente na vida comunitária da cidade, promovendo aulas de virtudes para crianças, programas de empoderamento de pré-jovens, cursos de instituto voltados ao fortalecimento moral e espiritual das comunidades, que geram reuniões devocionais e estimulam a troca de visitas aos lares para conversas significativas.

Em 2017, durante as comemorações do bicentenário de nascimento de Bahá’u’llah, promoveram no anfiteatro da Câmara Municipal, a peça musical cênica sobre o tema, e no saguão da Prefeitura a exposição “A Melhora do Mundo é Possível”, com obras de artistas locais e de estudantes das escolas Cecília Meireles e Maria Neiva Abdelmassih Justo.

Comemoração do bicentenário do nascimento di Báb  na Câmara Municipal de Valinhos. Coral sob a regencua de Dinamar Depret

A Comunidade Bahá’í de Valinhos tem muito a agradecer pela acolhida recebida da cidade e pela possibilidade de desenvolver este trabalho que almeja levar as pessoas a refletirem sobre o seu papel fundamental na melhora do mundo.

Ato de serviço nos arredores da EMEB professora Maria Neiva Justo

Além disso, não se pode deixar de destacar que a unidade é a base para a construção de uma nova sociedade, a unidade de Deus – um único Deus, a unidade da religião e a unidade da humanidade, como acima mencionado. Todos os seres humanos foram igualmente criados, e a diversidade étnica, cultural e religiosa deve ser apreciada e aceita por todos. Os bahá’ís têm sua fé inabalável no estabelecimento da paz e da unidade mundiais, que conduzirá a humanidade a um estágio evolutivo preconizado por Cristo como o estabelecimento do Reino de Deus na Terra.

Doação para Santa Casa, duas poltronas leito

História

A Fé Bahá'í surgiu em 23 de maio de 1844, na cidade de Shiráz, na Pérsia, atual Irã, quando o Profeta denominado o Báb (a Porta, 1819-1850) anunciou o advento de uma nova Revelação de Deus à humanidade. Ele foi martirizado em 1850 por um pelotão de 750 soldados; Seus seguidores foram violentamente perseguidos e mais de 20 mil deles – entre homens, mulheres e crianças – também acabaram martirizados por causa de Sua Fé.

Em 1853 um dos seguidores do Báb, que veio a ser conhecido como Bahá’u’lláh (a Glória de Deus, 1817-1892), proclamou ser o Prometido do Báb e de todas as religiões do passado. Isto nos faz lembrar que Jesus Cristo teve Sua vinda anunciada por João Batista, antes de proclamar Sua sagrada Missão.

Apesar de vir de uma família da nobreza da Pérsia (Seu pai era um ministro do Xá), Bahá’u’lláh abandonou a vida de conforto e honra e sujeitou-se a 40 anos de exílio e aprisionamento. Ele foi torturado e envenenado. Ele e Sua família foram vítimas de indizíveis sofrimentos unicamente por pregar a paz e a unidade entre os povos e as religiões da terra.

 

+ Fotos: