SESI estende para agosto produção de refeições gratuitas para comunidades carentes

SESI estende para agosto produção de refeições gratuitas para comunidades carentes

Neste mês, mais 1,173 milhão de refeições serão distribuídas. Somados os quatro meses, serão doadas 8,773 milhões de marmitas em todo o estado de São Paulo
Neste mês, mais 1,173 milhão de refeições serão distribuídas. Somados os quatro meses, serão doadas 8,773 milhões de marmitas em todo o estado de São Paulo

A iniciativa de produzir refeições gratuitas para comunidades carentes em todo o estado, lançada em maio pelo presidente da Fiesp, SESI-SP e Senai-SP, Paulo Skaf, será estendida para agosto.  Serão distribuídas 51 mil refeições por dia, de segunda a sexta, fechando o mês em 1,173 milhão de refeições. Somados os quatro meses do programa serão doadas 8,773 milhões de marmitas, produzidas nas cozinhas das escolas do SESI-SP, envolvendo mais de mil profissionais. Essa é mais uma das contribuições das entidades da indústria paulista para apoiar a sociedade nesta pandemia do novo Coronavírus.

As refeições são destinadas a quem mais necessita por intermédio de entidades filantrópicas, religiosas e ONGs cadastradas pelo SESI-SP e que já desenvolvem trabalhos com comunidades carentes.

“Esse programa tão importante conseguiu amenizar a situação de pessoas muito vulneráveis. Conseguimos fornecer, pelo menos, uma refeição digna a comunidades inteiras. A dedicação e comprometimento de inúmeros funcionários e parceiros que abraçaram essa ação nos enche de orgulho e esperança.  Estamos caminhando para dias melhores, sem dúvida”, afirma Paulo Skaf.   

Meia tonelada de alimentos

Ao longo de todo o mês, para transformar 527 toneladas de alimentos em refeições balanceadas e saudáveis que beneficiarão 107 municípios do Estado, o SESI-SP monta uma verdadeira força-tarefa reunindo cozinheiros, auxiliares de cozinha, nutricionistas, colaboradores realocados de outros setores e até mesmo voluntários. O cardápio é composto por arroz, feijão, proteína e legumes e é modificado a cada dia, levando sempre em consideração os alimentos mais frescos e as hortaliças da estação.

Todos os envolvidos nas cozinhas e na distribuição das refeições usam com equipamentos de proteção individual (EPIs), como máscara, touca e luva, e seguem  protocolos de segurança para a prevenção da Covid-19, o que inclui o distanciamento entre as pessoas, o trabalho em ambientes ventilados e o uso contínuo de álcool em gel.

Entidades da indústria contra o coronavírus

Desde que a declarada pandemia do novo coronavírus, em março, SESI-SP e Senai-SP vêm desenvolvendo inúmeras iniciativas para o combate dos efeitos da Covid-19 na sociedade.

Refeições - Entre maio e julho, o SESI-SP produziu 7,5 milhões refeições para distribuição gratuita para a população em situação de vulnerabilidade social. Somados os quatro meses do programa terão sido doados 8,773 milhões de marmitas, produzidas nas cozinhas das escolas do SESI, envolvendo mais de mil profissionais.

Cobertores e agasalhos

No mês de junho, o SESI-SP e Senai-SP distribuíram 100 mil cobertores à ONGs que auxiliaram pessoas em situação de vulnerabilidade social pela capital e pelo interior do estado de São Paulo. Os cobertores foram doados pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), presidida por Paulo Skaf.

Em junho também, todas as escolas e os 53 centros de atividades do SESI-SP, assim como as unidades do Senai-SP, promoveram a Campanha do Agasalho. as beneficiadas pelas ONGs parceiras da instituição.

Boas ações

Conserto de respiradores, máscaras e álcool em gel - O Senai-SP está produzindo e distribuindo para comunidades carentes mais de 1 milhão de frascos de álcool em gel. A instituição também utilizou sua capacidade técnica de produção em escala industrial para confeccionar 1 milhão de máscaras cirúrgicas. Esses insumos estão sendo doados para hospitais e Santas Casas do Estado de São Paulo. O Senai-SP atua ainda no conserto de respiradores, um dos itens mais requisitados nas UTIs destinadas a pacientes com Covid-19. Cerca de 185 respiradores receberam manutenção e foram devolvidos a 56 hospitais, e outros 36 estão sendo reparados.