PEC e payroll aquém do esperado impulsionam Bolsa acima de 106 mil pontos

PEC e payroll aquém do esperado impulsionam Bolsa acima de 106 mil pontos

São Paulo

O Ibovespa a iniciou o pregão em alta e acelerando ganhos, buscando os 106 mil pontos. A despeito de novos dados fracos de atividade do País (produção industrial), o mercado ainda repercute positivamente a aprovação da PEC dos Precatórios na quinta-feira, 3, no Senado, o que tira uma preocupação do radar. Além disso a criação menor de vagas do que esperado no mercado de trabalho norte-americano (payroll) também contribui com o movimento de alta, no sentido de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) pode ter de esperar um pouco mais para acelerar o processo de retirada de estímulos da economia.

"Mesmo com a produção industrial negativa em outubro, a alta de ontem do Ibovespa anima. A aprovação da PEC era o 'trigger' que faltava para a bolsa voltar a subir", avalia Rodrigo Knudsen, gestor da Vítreo.

Em novembro, nos EUA, houve criação de 210 mil vagas, ante previsão de 573 mil. Já a taxa de desemprego recuou de 4,6% em outubro para 4,2% no mês passado, contra projeção de analistas de 4,5%. Em novembro, o salário médio por hora aumentou 0,26% em relação a outubro, ou US$ 0,08, a US$ 31,03, também abaixo do consenso, de alta de 0,4%.

Preliminarmente, o indicador pode levar ao debate de que o Federal Reserve poderá esperar um pouco mais para acelerar a retirada de estímulos da economia e, consequentemente, evite uma alta antecipada dos juros por lá. Com isso, a liquidez tende a continuar no mundo.

A maioria das bolsas europeias e os índices futuros de ações americanos sobem, apesar das incertezas relacionadas à variante de coronavírus Ômicrone e depois de dadas aquém do esperado também na Europa.

No Brasil, apesar da aprovação da PEC dos Precatórios no Senado ontem, o fato de o projeto poder ser fatiado, fica no radar, elevando temores fiscais. A despeito do otimismo com a aprovação, a novela não terminou, o que pode provocar cautela na Bolsa brasileira. "Ainda paira a incerteza se os senadores aceitarão a proposta de fatiamento de Arthur Lira, presidente da Câmara Federal", observa em nota a MCM Consultores.

Além disso, depois da confirmação de recessão técnica pelo PIB brasileiro do terceiro trimestre, a produção industrial decepcionou ao cair 0,6% em outubro ante setembro, enquanto a mediana mostrava alta de 0,7%.

"Acredito que há espaço para que a recuperação do Ibovespa continue, apesar da produção industrial negativa. A alta de ontem pode ter dado um ânimo. A aprovação da PEC era o 'trigger' que faltava para a bolsa voltar a subir", avalia Knudsen.

De um lado, a queda da atividade em outubro no Brasil reforça expectativa de um Banco Central menos agressivo nas próximas reuniões de política monetária, podendo estimular alta de ações ligadas ao consumo - ainda mais com a aprovação do Auxílio Brasil na PEC dos Precatórios.

"O momento da atividade é ruim. Isso já estava um pouco na cabeça do mercado após o PIB divulgado ontem. Agora, é certo que os DIs cairão e caem e, com menos atividade, talvez o BC não seja tão 'hawkish'", analisa Knudsen.

Conforme o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, a combinação de juros em alta e falta de plano claro da administração federal tem cobrado um preço elevado na atividade no País e esta tendência deve continuar. "Não há espaço para melhora no curto prazo", avalia em nota.

A despeito da alta em torno de 3% do petróleo no exterior, as ações da Petrobras têm ganhos moderados, entre 0,74% (PN) e 0,24% (ON), enquanto Vale subia 0,63%.

Às 10h53, o Ibovespa subia 1,79%, na máxima, aos 106.341,19 pontos, após abrir aos 104.466,60 pontos. Assim, o saldo da semana e a primeira de dezembro pode terminar no campo positivo. Até agora, é de 4,08%, já próximo dos 4,38% vistos praticamente igual período de 2020 - naquela ocasião foram quatro dias úteis, ante três esta semana).