Professora usa dramaturgia como ferramenta para ensinar crianças e adolescentes

Professora usa dramaturgia como ferramenta para ensinar crianças e adolescentes

Há sete meses, a vida escolar e social das crianças e adolescentes se transformou completamente. Com o decreto da pandemia e início das aulas online, o que parecia ser passageiro se tornou uma realidade que, ao que parece, não mudará nem tão cedo. Enquanto isso, as famílias tiveram que se adequar à rotina que, se antes já era pesada para alguns – especialmente mães -, se tornou quase insustentável.

De fato, o conteúdo passado dentro da escola, com aulas regulares, não pode ser vivenciado na íntegra por uma tela de computador, como acontece desde o início da pandemia. Afinal, no colégio, os alunos não apenas aprendem o que está nos livros. Existe a ludicidade ao ensinar, a socialização com os colegas de classe, os compartilhamentos, as brincadeiras, a atenção particular que muitas vezes um aluno precisa em um determinado momento. E tudo isso foi interrompido abruptamente com a Covid-19. Em poucos dias, os pais tiveram que reajustar o dia a dia com todos dentro de casa, os filhos passaram a não ir mais às ruas e os professores precisaram rever todo o método de ensino para que as aulas continuassem de forma online.

Mas além dos pais, um outro grupo precisou mudar totalmente a forma como trabalhava. Os professores, que pouco antes da chegada da Covid-19 tinham começado o ano letivo e estavam com suas agendas já organizadas, precisaram se reinventar e se transformar praticamente em Youtubers, com seus alunos do outro lado da tela de um computador. A professora Anna Angélica Viana, que dá aula para o 5º ano, explica que, em sala de aula, levava a vida real para gerar aprendizados práticos, mas que precisou pensar em outras formas de levar esses ensinamentos com o distanciamento. "Quando o assunto era alimentação, por exemplo, costumava usar exemplos práticos para fazer as crianças repensarem o alimento que ingeriam. Porém, com as aulas fora das salas das escolas, abriu-se uma lacuna na forma de ensinar. Eu falava sobre o cardápio que era oferecido diariamente, da importância do arroz, feijão, frutas, legumes refogados, verduras etc, já que a escola tinha um cardápio orientado por nutricionista. Eles aprendiam em sala sobre a importância de uma alimentação equilibrada e depois exerciam na prática essa alimentação. Com a pandemia, foi preciso desenvolver com eles atividades mitigadoras à distância, sem contato visual, sem eu estar falando com eles presencialmente e frequentemente. Então, eu comecei a procurar vídeos na internet que pudessem ajudar e chamar a atenção, e foi quando encontrei os episódios da Helô Heloilda, da atriz Lara Cardoso, que interpreta uma secretária do lar cheia de simpatia, tiradas engraçadas e com uma linguagem bem lúdica, quase infantil. Ela faz vídeos curtinhos, com brincadeiras que as crianças gostam, mas também com vários ensinamentos. Tem um jeito despretensioso de educar, é solta, leve para conversar, chega a ser quase ingênua em algumas falas. E as crianças se identificaram imediatamente, até porque a maioria dos vídeos também têm outras crianças participando. Tem um episódio, inclusive, que uma nutricionista comenta, fala da quantidade de conservantes e afins. E aí, dentro disso tudo, tem as receitas. Com esses vídeos, estou com a oportunidade de semear esse conhecimento que certamente será lembrado quando eles se alimentarem, especialmente se os pais também colaborarem”, pontua.

Mãe de uma menina de 11 anos, a atriz Lara Cardoso, que interpreta a personagem dos episódios citados por Anna Angélica, também é professora, com formação em Letras e esteve à frente de turmas do Ensino Fundamental. E há 2 anos, ela criou uma canal no YouTube onde sua personagem fala, de forma divertida, sobre temas como receitas, comportamento, dicas de higiene, informações sobre profissões, entre outros assuntos de interesse do público infanto juvenil. Seus vídeos possuem sempre uma linguagem bastante lúdica, para que os espectadores, em especial as crianças, se identifiquem com o conteúdo mais facilmente. “Eu uso a dramaturgia para ensinar por meio da comédia, mas também uso o meu lado professora para explicar de uma forma que todos entendam. Nos anos em que trabalhei em escolas, sempre tive essa preocupação em passar mais que o conteúdo programático. Acredito que nós, professores, tenhamos que, antes de tudo, entender como o que vamos ensinar tem que ser passado, qual linguagem usar, que ferramentas estão alinhadas com o mundo de hoje, como chamar a atenção do nosso público. E o Youtube é algo que toda criança e adolescente assiste diariamente”, comenta. Quanto ao seu conteúdo que professores estão usando como apoio para as aulas online, Lara explica que sempre investe em uma programação humorística com responsabilidade para crianças e para que seus pais não precisem se preocupar com o conteúdo que está ali. “É tudo censura livre. E a Helô, na simplicidade da personagem, ensina as crianças a estudar, a cozinhar, a limpar e sempre com diversão”, comenta a atriz.

Mas a ligação entre Lara e a Educação não fica apenas nos episódios de Helô Heloilda. Em 2019, o sucesso da personagem foi tanto, que levou Lara a entrar em outro projeto educativo (que está temporariamente parado com a pandemia): algumas escolas a convidaram para fazer apresentações bastante interessantes, unindo seu lado atriz com o de educadora. “Eu chego vestida de Helô, começo a apresentação como uma comédia e vou direcionando para um bate-papo sobre questões próprias da idade do público, como bullying e excesso de tecnologias. O resultado é que esses alunos acabam aprendendo mais sobre o tema e até discutindo questões importantes. Eles enxergam ali não um educador, mas alguém que está falando de igual para igual. Quando levo algum especialista comigo, a identificação acontece da mesma forma, porque não enxergam aquilo como um conteúdo didático que deve ser passado em sala de aula, mas como uma conversa informal entre amigos”, esclarece. Já quando o público é mais jovem, de crianças, os temas são mais leves, mas não menos importantes e a dinâmica é a mesma: a atriz entra como Helô e depois começa o bate papo, mas com uma linguagem mais lúdica.

Recentemente, a atriz tem escrito roteiros não apenas alinhados com assuntos que já eram importantes antes da pandemia, mas também com atuais, como respeito às pessoas e animais, cuidados com higiene (inclusive ensinando exatamente como lavar mãos etc), brincadeiras em tempos de distanciamento social, entre outros assuntos extremamente atuais e pontuais. “Eu sou uma atriz, mas antes disso sou uma educadora”, conclui Lara.