Mil alunos participam de projeto para ensino de inglês

Mil alunos participam de projeto para ensino de inglês

“Vontade de conhecer o mundo e aprender outras línguas”, assim os alunos da Escola Municipal de Educação Básica (Emeb) Vice-prefeito Antonio Mamoni resumiram o sentimento que ficou com a participação no projeto para o ensino da língua inglesa da Ong norte-americana Learning Enterprises (Empresas de Aprendizagem).
Pelo 4º ano consecutivo, Valinhos é a única cidade do Brasil a participar do projeto, que é desenvolvido pela Ong em mais de 10 países. No município, a atividade teve início em 13 de junho e encerrou-se na sexta-feira, 8, com o envolvimento de mil alunos (de 6º ao 9º ano), 200 a mais que o ano anterior, de 13 escolas municipais.
A programação inclui 3h de aulas de inglês por semana (12h no total), no contraturno escolar, com jovens norte-americanos, envolvendo muitas brincadeiras, jogos, músicas e outras dinâmicas.
Os professores são estudantes de nível universitário, com idade entre 19 e 20 anos, que atuam de forma voluntária. São oito participantes, que estão alojados em casa de famílias na cidade.
De um lado, os voluntários ensinam a língua inglesa e a cultura norte-americana e, de outro, aprendem sobre a cultura brasileira e os hábitos do País.
Durante esta semana, as escolas promoveram cerimônias de encerramento do projeto com a entrega de certificados aos alunos participantes.
Na Emeb Vice-prefeito Antonio Mamoni, a solenidade foi na quinta-feira, 7.
A diretora da escola, Silvana Aparecida Catelan Miliosi, contou que 80 alunos participaram dessa edição do projeto. “Estamos abertos a tudo que vem agregar valores aos nossos alunos”, disse, elogiando a ação dos voluntários da Ong.
O aluno João Vitor Franco, 11 anos, do 6º ano, que participou do projeto pela primeira vez, aprovou a didática de ensino. “A gente aprende mais rápido, e é mais divertido”, enfatizou.
Já a aluna Gabriela de Lima Ramos, 13 anos, do 8º ano, elogiou a oportunidade de troca entre as culturas. “Eles (voluntários) contam sobre lá, e perguntam coisas sobre aqui”. Este foi o terceiro ano de Gabriela no projeto.

 

Da Redação