Vagner Alves

Vagner Alves

Vagner Alves, consultor em acessibilidade, formado em Administração pela Faculdade Anhanguera Educacional de Valinhos e Gestão Pública pelo INPG

Conteúdo relacionado - Autor - Texto Principal

Fazer compras e colocar o assunto em dia

Dia desses eu fui conhecer a Feira do Agricultor, que agora também tem sua versão noturna no CACC (Centro de Artes, Cultura e Comércio Adoniran Barbosa), chamada de “Quarta é Feira”. O local realmente é estratégico para essa atividade, perto da rodoviária, com amplo estacionamento, banheiros limpos, segurança e acessibilidade muito boa. A “Quarta é Feira” estreou no calendário valinhense de eventos em 20 de setembro do ano passado, com excelentes expectativas e, posteriormente, excelentes resultados.
Ali encontrei pessoas que não conversava há muito tempo, e pude ouvir o som do amigo Vanderlei Furlan (O latino de Valinhos), acompanhado de seu fiel escudeiro Clayton tocando Cajon, responsáveis pela trilha sonora do local.
Pude ver também famílias completas indo à feira; pais, mães, irmãos, madrinhas, afilhadas e avôs. Todos compartilhando um momento de lazer. Sim, lazer, pois muitas pessoas ficavam muitos minutos sentadas nos bancos, ou próximas à estátua do Adoniran Barbosa, a colocar o assunto em dia, enquanto a criançada se divertia nos brinquedos colocados no local para o divertimento dos pequeninos. Todos os presentes foram observados pela estátua do moço do Trem das Onze, que contemplava o movimento alegre das pessoas.
Também foi a primeira vez que subi no redondel onde fica a estátua do maior nome da música valinhense. E o mais interessante é observar de perto o olhar do homem da Saudosa Maloca. Ele parece nos convidar a sentar na cadeira ao lado e ficar ali por alguns instantes proseando sobre a vida.
Durante o período de tempo que estive no CACC, pude observar uma grande rotatividade de pessoas. Elas chegavam de ônibus, táxis e por meio de carros contratados via aplicativo, como o Uber por exemplo. Como toda feira que se preze a honrar suas tradições, não faltaram pastéis e espetinhos, que exalam um sabor irresistível e que caracterizam as feiras, sejam elas noturnas ou diurnas.
Com relação aos valores dos produtos, não posso opinar, pois não tenho muita noção de preços. Já em relação à qualidade, com certeza os produtos merecem nota 10. Todos eles têm uma qualidade muito boa e com repercussão positiva entre as pessoas, que frequentam o local assiduamente.
Com todos os ingredientes para uma para noite gostosa de convívio com os amigos e familiares, pretendo voltar outras vezes na “Quarta é Feira”, para abastecer a geladeira e receber conselhos do poeta Adoniran Barbosa.