Procon Valinhos apresenta projeto de educação financeira

Procon Valinhos apresenta projeto de educação financeira

O Procon de Valinhos apresentou à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, um projeto inovador de educação financeira para jovens e idosos da cidade. A Escola Itinerante do Consumidor Menor e Melhor Idade é um programa inédito de orientação sobre consumo que vai percorrer o município para atender em média 11 mil moradores por ano.

O projeto foi desenvolvido pela administração do prefeito Orestes Previtale, protocolado na Senacon na quarta-feira (10) e está em trâmite no banco de projetos do Ministério da Justiça, em Brasília. Os recursos solicitados ao Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (CFDD) são R$ 542 mil para a aquisição de um ônibus que será adaptado para servir como escola itinerante, com 30 cadeiras, notebooks, equipamentos multimída e impressão de cartilhas.

A previsão do Procon é de que a escola itinerante esteja funcionando a partir de 2019. O projeto tem duração prevista de dois anos. Segundo a diretora do Procon Valinhos, Vilma de Albuquerque, serão atendidos pelo projeto adolescentes de 13 anos até antes de completar 18 anos e idosos com mais de 60 anos, em turmas de 22 alunos em locais pré-definidos.

os cursos vão acontecer em escolas, clubes, associações de bairro, empresas e outros espaços, durante 250 dias ao ano. Serão duas turmas por dia. O objetivo é educar os futuros consumidores e também os idosos sobre consumo consciente para evitar problemas de endividamento, superendividamento e fraudes financeiras.

"É preciso evitar o consumo desenfreado para que a população possa viver com dignidade. Nós vamos em busca dos consumidores para levar o curso até eles", disse Vilma. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgada em janeiro deste ano, apontou que 76,7% dos consumidores iniciaram o ano com dívidas para pagar.

"Quase 80% da população usa toda sua renda para o pagamento de dívidas", comentou Vilma. Segundo a diretora do Procon, o endividamento tem impactos sociais, interfere na vida familiar, nas relações e na rotina. "A educação tem com objetivo orientar sobre o consumo e o consumismo, buscando maior qualidade de vida para o consumidor. Temos de construir uma sociedade melhor para o futuro", disse. Aprovado, o programa pode servir de modelo para outros municípios. 

 

Da redação