“Estudar é sentir a mente se abrir é um mundo novo que se descobre”

“Estudar é sentir a mente se abrir é um mundo novo que se descobre”

Folha de Valinhos traz mais uma história de superação, nesta edição entrevistamos Maria Noronha de Oliveira, que junto a sua família veio do Ceara para Valinhos em busca de tentar uma vida melhor. Diante dessa situação Maria teve que abandonar os estudos ainda quando jovem, mas durante sua trajetória carregou o sonho de tornar-se uma advogada, e hoje aos 63 anos formada em Direito e recém aprovada no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ela contou sua história de luta e conquistas. 

O que te impediu de realizar a graduação, quando jovem?
Sou de uma família de muitos irmãos, viemos do Ceara com poucos recursos, minha mãe do lar analfabeta, meu pai aprendeu a ler e escrever sozinho e se tornou motorista.
Meu pai mudava muito de cidade vindo a se fixar em Valinhos, deixei de estudar quando terminei o ensino fundamental, casei jovem, tive 3 filhos e me separei, a partir daí tive que conciliar o trabalho com os cuidados com os filhos e estudar deixou de ser um objetivo na época.  

Quando e como você decidiu que faria a faculdade?
Trabalhava como costureira, de 12 a 14 horas, quando necessário virava a noite, não tinha um salário digno e nem qualidade de vida, já tinha em mente que esta situação só mudaria se retornasse aos estudos. 
Em 2009 sofri a perda de um irmão querido, muito presente na minha vida que foi advogado, ele sempre dizia que venceríamos somente através da educação.
Tomei a decisão!  Sem Ensino Médio fui primeiro cursar o supletivo, quando terminei, prestei concurso para agente de organização escolar e já desfrutei da primeira conquista, fui aprovada!!! 
Trabalhar como inspetora de alunos, reforçou a convicção de que poderia conquistar tudo que almejasse.  

Por que escolheu o curso de Direito?
Esse era um sonho adormecido, muitas vezes acreditei que não se tornaria real, somente após voltar aos estudos e concluir o Ensino Médio percebi que já era hora de buscar a realização desse sonho.

Durante o curso, quais dificuldades você enfrentou?
As dificuldades foram muitas: o pagamento das mensalidades, tempo para estudar, acordava 4 horas da manhã para rever o conteúdo, pois trabalhava até às 23 horas.
Sem dúvida a maior de todas foi aprender conteúdos após estar muito tempo longe da escola, mas essa também era minha maior alegria estar em uma sala de aula novamente.

O que fez você não desistir?
As adversidades foram muitas, mas jamais pensei em desistir, desde o momento que decidi retornar aos estudos me sentia maravilhada com cada aprendizado, cada conquista, realmente estudar é sentir a mente se abrir é um mundo novo que se descobre.  

Sua família te apoiou? Como eles te ajudaram?
A família me apoiou muito, ajudando com alguma mensalidade da faculdade, comprando livros e vibrando com cada etapa vencida.

Hoje formada e passado na OAB, qual o seu sentimento?
Sentimento de alivio, dever cumprido, felicidade extrema de pensar “Eu Consegui!!”

Qual recado você deixa para que as pessoas não deixem de sonhar?
Nunca deixem de buscar a realização de um sonho.

 

Da Redação

+ Fotos: