Escritora prodígio de Valinhos lançará 2° livro da carreira

Escritora prodígio de Valinhos lançará 2° livro da carreira

Luiz Felipe Leite
Repórter

Escritora prodígio de Valinhos lançará 2° livro da carreira
Escritora prodígio de Valinhos lançará 2° livro da carreira

Luiz Felipe Leite
Repórter

O escritor e considerado um dos ‘pais da pátria’ dos Estados Unidos, Benjamin Franklin, certa vez disse a seguinte frase “Se não quer ser esquecido quando morrer, deve escrever algo que valha a pena ler ou fazer alguma coisa sobre a qual vale a pena escrever”. Isso reflete exatamente a vida da estudante do 3° ano do Ensino Médio da Escola Estadual Adoniran Barbosa, Anna Julia Dannala Franco de Souza. Ela, que tem 17 anos de idade, está prestes a lançar o seu segundo livro. Chama-se Moinho de Invento (Editora Arwen) e possui 200 páginas de poesias inéditas sobre temas otimistas e animados. A jovem escritora, que prefere ser chamada apenas de Júlia, já tem um livro publicado (Coração Poético, da Editora Iluminatta) com o mesmo tema.

Júlia é uma pessoa com uma relação intensa com a leitura e escrita, mantendo o hábito de ler e escrever ‘com certa fixação’ desde os sete anos de idade. Criada pelos avós maternos, a jovem, nascida em Franca mas moradora valinhense ‘desde sempre’, sonha em manter-se como escritora, mas sem esquecer outros sonhos, como fazer várias faculdades, por exemplo.
A entrevista desta edição da Fanzine é com a jovem escritora. Confira a entrevista na íntegra abaixo:

Folha de Valinhos: Como surgiu a ideia de escrever esse livro? E o anterior?
Anna Julia: Comecei a ler e escrever muito cedo, por volta dos cinco anos de idade. Com sete anos, eu lia e escrevia demais, quase de forma compulsiva. Lembro que minhas professoras até brincavam comigo, dizendo que eu escrevia demais (risos). Foi nessa época que escrevi meu primeiro conto (Mistério do Casarão). Desde então preferi sempre ler e escrever a praticar outras atividades. Em 2013 minha avó, que sempre acompanhou essa minha paixão pela leitura e escrita, sugeriu que eu escrevesse um livro. Apesar de me achar muito nova, algo que ainda sou, resolvi arriscar. Juntei as frases e poesias que fiz dos 10 aos 13 anos de idade e mandei para várias editoras. Uma delas aceitou e publicou meu primeiro livro (Coração Poético). Depois embalei e resolvi fazer outro (Moinho de Invento). Esse foi mais complicado, pois fiz o original a mão, tanto os textos quanto as ilustrações. Esse processo durou quase dois anos. Entre uma editora aceitar publicá-lo dessa maneira artesanal, revisá-lo e produzi-lo foram mais quatro meses. Enfim está perto do lançamento.

De onde você tira tanta criatividade?
Sou bem observadora. Costumo observar as coisas, investigar e refletir sobre o acontece ao meu redor. Também leio bastante. Isso ajuda a adquirir um vocabulário mais diverso. Também tenho uma facilidade de fazer rimas. É algo que colabora para fazer poesias, sem dúvidas. Mas, apesar disso que te falei, não consigo explicar de maneira mais exata sobre como tenho a minha criatividade. É algo mais subjetivo.

Já pensou qual profissão irá seguir no futuro?
Sim. Penso em fazer Jornalismo ou Cinema, áreas que me interessam desde cedo. Me falam muito sobre o curso de Letras, mas nunca me animou muito. De qualquer jeito quero fazer várias coisas e, ao mesmo tempo, não parar de escrever. Isso é algo que quero fazer para o resto da minha vida. Uma curiosidade é que tive vontade de ser veterinária quando criança, mas acabei indo para outro caminho (risos).

Qual o motivo da literatura não atrair tanto as novas gerações?
Vivemos em uma época com muita tecnologia. São tantas atividades e opções à disposição das pessoas que o hábito de ler e se inteirar sobre a literatura, na minha opinião, foram deixados de lado. É uma pena. Acho isso muito triste.

Quais seus gêneros literários favoritos?
Gosto de literatura de uma forma geral, mas os gêneros que mais me atraem são poesia, a fantasia e o drama. A poesia foi um dos primeiros gêneros que conheci. Com a poesia tenho uma relação afetiva. A fantasia me atraiu por oferecer mundos alternativos, totalmente diferentes da realidade. Gosto de histórias de magia, de situações fora do comum. Já o drama é um gênero que conheci quando fiquei um pouco mais velha. Gosto muito dos livros do autor John Green (A Culpa é das Estrelas). Ele conta as coisas de uma maneira que chamou muito minha atenção. Desde então me interessei por livros de drama.

Quais seus autores favoritos? E qual mensagem pode deixar para nossos leitores em relação ao mundo da escrita e da leitura?
Gosto muito de Fernando Pessoa, Paulo Leminski, Olavo Bilac, Clarice Lispector, Lygia Bojunga, J.K. Rowling, Rick Riordan, Cornelia Funke, J. R. R. Tolkien, John Green, e Jojo Moyes. A mensagem que posso deixar aos leitores é que eles não desistam de escrever, que não dêem atenção aos pessimistas e que tentem sempre melhorar a escrita. Tentem melhorar sempre.

Raio X
Nome: Anna Julia Dannala Franco de Souza
Profissão: Estudante
Data de Nascimento: 15/12/1999
Cidade: Franca-SP