Festival de Artes do Centro Cultural agita população local

Festival de Artes do Centro Cultural agita população local

Da Redação

As apresentações de artesanato, capoeira, dança de salão, desenho artístico, música, pintura em tela e teatro são gratuitas.
As apresentações de artesanato, capoeira, dança de salão, desenho artístico, música, pintura em tela e teatro são gratuitas.

Da Redação

A vida cultural de Valinhos estará mais agitada a partir do próximo dia 20 de outubro, quando começará o tradicional Festival de Artes do Centro Cultural Vicente Musselli, vinculado à Secretaria da Cultura. A atividade, que será realizada até dia 17 de dezembro, envolverá 3,2 mil alunos das áreas de música, dança, teatro e artes plásticas e marcará o encerramento do ano letivo da unidade, considerada uma das maiores escolas de arte pública da região.

As apresentações estarão distribuídas em vários espaços da cidade, como Teatro Multiuso da Câmara Municipal, Country Club, Ginásio Municipal Vereador Pedro Ezequiel da Silva, Paço Municipal e Espaço Multiuso Flávio de Carvalho.

A programação começará no próximo dia 20 com a exposição de pintura em tela no Espaço Multiuso Flávio de Carvalho. A mostra reunirá 38 quadros pintados em técnicas variadas com a temática Modernismo Brasileiro e poderá ser visitada até 10 de novembro.

As apresentações de dança iniciarão no dia 27, às 20h, no Ginásio do Country Club, com dançarinos de salão exibindo a coreografia O Baile. O seguimento terá ainda capoeira, flamenco, jazz e dança de rua, ballet clássico, dança do ventre e contemporâneo. Os espetáculos irão até dezembro e estarão divididos entre Teatro Multiuso da Câmara Municipal e Ginásio Municipal Vereador Pedro Ezequiel da Silva e entre os horários de 19h e 20h.

As encenações de teatro começarão no dia 21 com a peça Alice, seguidas de Aquarius (dia 22), Rei Leão (24), Mulher (monólogo) e Invertidos (25) e Rei Leão (27). As apresentações serão sempre às 19h30. No dia 28 haverá os espetáculos Pinóquio (19h), O Mágico de Oz (19h30) e Sonho de Uma Noite de Verão (20h30). No dia 29 terá Pinóquio (10h30), O Mágico de Oz (11h), A Arca de Noé (16h), Romão e Julinha (17h), O Gato de Botas (18h), Pinóquio (19h) e O Mágico de Oz (19h30). Todas as encenações serão no Teatro Multiuso da Câmara Municipal.

A área de música iniciará no dia 30 com violão clássico às 19h30 na sala Ivan Fleury Meirelles, no Paço Municipal, e seguirá até 2 de dezembro, no Teatro Multiuso da Câmara Municipal, com concertos de violão popular, teclado, violino, sanfona e escaleta, flauta doce, cavaquinho, flauta transversal e apresentação do Coral Municipal e do grupo de técnica vocal.

A exposição de desenho e artesanato com os temas“Se é este o Brasil que eu tenho, qual o Brasil que quero” e “Esperança”, respectivamente, estará em cartaz de 17 de novembro a 15 de dezembro no Espaço Multiuso Flávio de Carvalho.  Serão 43 desenhos e 15 peças de artesanato.

As apresentações de artesanato, capoeira, dança de salão, desenho artístico, música, pintura em tela e teatro são gratuitas. Já nos seguimentos dança e teatro será cobrado ingresso no valor de R$ 7,50 antecipado e R$ 15 no dia. Estudantes, idosos, jovens entre 15 e 29 anos pertencentes a famílias de baixa renda, pessoa com deficiência e acompanhante quando necessário e professores, diretores, coordenadores pedagógicos e supervisores têm direito a meia entrada. Já os alunos terão direito a duas entradas de cortesia na data de suas apresentações.

Expectativa
A aluna de dança do ventre, Bruna Amorim Christine, está totalmente empenhada nos ensaios para a apresentação do espetáculo ‘Religare: Sagrado e Feminino’. Será a primeira vez que ela participará do festival. “Estou feliz e animada em poder apresentar nossa dança para o público. Será a oportunidade de ver nosso trabalho concretizado”, disse.

A aluna de teclado, Bruna Hirata, já é mais experiente em festivais. Será sua quarta participação, mas afirmou que a emoção é sempre forte. “É uma oportunidade de mostrar para as pessoas o que aprendemos durante o ano”, contou.

Para os 32 monitores culturais envolvidos, o festival também é um momento especial. “É um trabalho extremamente exigente e de grande responsabilidade”, explicou a coordenadora da área de dança, Marisley Marques.

Monitora de ballet clássico há 24 anos, Denise Fogaça disse que é uma oportunidade para os alunos terem vivência artística no palco. “É um momento de realização, após um ano de esforço, desenvolvimento físico e técnico”, complementou.
A monitora de teclado, Márcia Real Bispo Lanaro, há sete anos, disse que o festival é motivo de alegria, pois possibilita “ver o fruto do nosso trabalho”.